Jane Campion, os festivais e a reputação crítica (In memoriam Pierre Rissient)

Foto
Jane Campion e os seus actores, Sam Neill, Holly Hunter e Harvey Keitel, em Cannes, no ano da Palma de Ouro a O Piano THIERRY ORBAN/Sygma via Getty Images

O festival era o de Cannes, o ano 1983. Nunca ninguém ligou muito no festival às curtas-metragens, que eram antes até consideradas uma seca pois nessa altura passavam antes das longas, só mais tarde tendo vindo a ser reunidas numa sessão específica que ao menos permitia uma apreciação crítica. Mas nesse ano havia um facto singular. Entre as curtas em competição estava Peel, de uma realizadora neozelandesa, Jane Campion, e dela havia também na secção informativa Un Certain Regard um programa com três curtas-metragens. O facto só por si era intrigante. Mas mais o era porque Jane Campion vinha dos antípodas, da Nova Zelândia, cinematograficamente uma terra incógnita (ao contrário do que sucedia com a vizinha Austrália onde já tinha surgido uma geração de realizadores cujos nomes mais destacados eram Peter Weir e George Miller — e mesmo que depois eles se tenham americanizado, os primeiros filmes de um e de outro eram caracteristicamente marcados pela cultura, pela História e pela topografia australianas, não sendo aliás por acaso que quando fez uma tardia sequela dos Mad Max, Miller tenha tido que regressar à Austrália.

Sugerir correcção
Comentar