Carlinhos da Sé, o vendedor que rompeu padrões de género no Porto

Nos idos dos anos 1960, muito antes da mobilização social pela liberdade, reconhecimento e autodeterminação das pessoas transgénero, uma figura peculiar, andrógina e extemporânea marcava o quotidiano da Ribeira e da Sé, no Porto. Entrámos na biblioteca humana destes bairros para resgatar a memória de Carlinhos da Sé, o vendedor ambulante de lingerie que abriu caminho à aceitação da diferença num Porto ainda conservador e analfabeto.

Fotografia
Fotogaleria
Carlinhos da Sé, na única fotografia que se conhece desta lendária figura popular do Porto,Carlinhos da Sé, na única fotografia que se conhece desta lendária figura popular do Porto DR,DR
p2,memoria,questoes-sociais,historia,local,porto,
Fotogaleria
Mercado da Sé, no Porto, nos anos 1950 DR

O tiquetaque dos tamancos no pavimento aproximava-se em crescendo da estreita Rua da Bainharia, na Sé, antecipando o eco de um pregão, no mínimo, singular. “É p’ròs bicos, é p’ròs bicos!”, entoava Carlinhos da Sé, enfiando a mão dentro da copa de um dos soutiens que se alinhavam na cesta que trazia no braço. Muitas vezes, o vendedor ambulante modelava as próprias peças, não só por acreditar na qualidade do produto, mas sobretudo porque estas faziam o seu gosto ao nível de indumentária. Envergava, normalmente, calças de terylene, vincadas, subidas e justas e, para cima, levava soutiens ou camisas largas, brancas, aos folhos ou floridas. O cabelo, cortado acima dos ombros e armado com a ajuda de um pouco de brilhantina, era igualmente invulgar para os estilos exibidos pelos homens na época.