Nossa Senhora dos mass media

Um filme com um poder intrigante e interpelador: fala de nós, Europa 2021.

cultura,ipsilon,bruno-dumont,critica,cinema,culturaipsilon,
Fotogaleria
Léa Seydoux como uma santa moderna: uma santa da televisão
cultura,ipsilon,bruno-dumont,critica,cinema,culturaipsilon,
Fotogaleria
cultura,ipsilon,bruno-dumont,critica,cinema,culturaipsilon,
Fotogaleria
cultura,ipsilon,bruno-dumont,critica,cinema,culturaipsilon,
Fotogaleria

O que em France mais surpreende, e quase choca, o espectador conhecedor da obra de Bruno Dumont é a forma como o filme, desde o princípio, nos atira para um universo até hoje estranho ao seu cinema (a televisão, a “democracia mediática”) e o faz através de uma saturação de sinais da “contemporaneidade”. Não é necessariamente inédito: pensamos em Hadewijch, filme que associava uma preocupação central de Dumont (a atracção pela santidade, para o dizer simplesmente) a um fenómeno marcadamente “contemporâneo” (o terrorismo de inspiração islâmica), mas nem isso se compara ao modo como as coisas se passam em France. Sirva de exemplo logo a sequência inicial, que tem como “actor secundário” nem mais nem menos do que Emmanuel Macron, e é tão bem feita que durante alguns minutos nos interrogamos se foi conseguida à custa de um exercício brilhante de montagem, ou de uma extrema sofisticação do “deepfake” digital, ou mesmo de uma participação especial do actual Presidente da República de França.

Sugerir correcção
Comentar