Ao bater da meia-noite e um minuto de sexta reabre o Clube Village Underground, 18 meses depois

“A primeira noite de clubbing, com pista de dança, sem máscara, sem limite de capacidade nem de horário.” O clube lisboeta, localizado em Alcântara, promete uma noite de festa para celebrar o fim da proibição de dançar logo a partir do primeiro minuto de 1 de Outubro.

dj,discoteca,village-underground,alcantara,fugas,lisboa,
Fotogaleria
Village Underground (foto de arquivo) dr
dj,discoteca,village-underground,alcantara,fugas,lisboa,
Fotogaleria
Village Underground (foto de arquivo) dr
dj,discoteca,village-underground,alcantara,fugas,lisboa,
Fotogaleria
Village Underground (foto de arquivo) dr
dj,discoteca,village-underground,alcantara,fugas,lisboa,
Fotogaleria
Village Underground (foto de arquivo) dr
dj,discoteca,village-underground,alcantara,fugas,lisboa,
Fotogaleria
Village Underground (foto de arquivo) dr
Village Underground Lisboa
Fotogaleria
Village Underground (foto de arquivo) dr
Village Underground Lisboa
Fotogaleria
Village Underground (foto de arquivo) dr

“Dançámos dentro da cabeça, sentados, de máscara, constrangidos. Agora chegou a altura de purgar toda a energia cá de dentro e soltá-la no lugar onde mais somos felizes que é na pista de dança do nosso clube.” É assim que, ao fim de 18 meses sem ordem para dançar, se anuncia o regresso da vida nocturna (quase) normal do clube Village Underground que avançou a abertura da pista para o primeiro minuto do dia em que os regulamentos assim o permitirão — ainda assim, ressalve-se, volta-se a dançar a partir de 1 de Outubro, mas com obrigação de apresentação de certificado de vacinação.

Na noite de quinta para sexta, “quando bater no relógio a meia-noite e um minuto” de 1 de Outubro, o Village Underground, “vila de criatividade, arte e cultura em Alcântara”, ao lado do Lx Factory, “vai reabrir as portas do clube”.

“Ao longo de 18 meses conseguimos manter a música a soar no nosso espaço (excepto nos momentos de confinamento) e sempre respeitando todas as restrições de lotação, horário e o facto de ter sido proibido dançar”, explica à Fugas Mariana Duarte Silva, co-fundadora do Village Underground. “Mais do que resiliência, foi militância e um acreditar profundo na vontade do público em estar connosco e dos artistas em continuar a actuar mesmo que dentro do limite imposto”, acrescenta.

É a “primeira noite de clubbing, com pista de dança, sem máscara, sem limite de capacidade [tirando a lotação normal do espaço] nem de horário, desde que encerrámos há 18 meses”. A dar música às hostes estará a prata da casa: o anfitrião Gustavo Rodrigues, que deverá “actuar até às 6h da madrugada de sexta-feira”.

O clube, que tem uma lotação de 420 pessoas, sublinha nas suas comunicações e anúncios que “para entrar é obrigatório apresentar certificado digital (com vacinação ou testagem em dia)”.

“A expectativa é grande e com alguma incerteza de como as pessoas vão encarar a pista e esta liberdade que lhes é devolvida”, escreve Mariana Duarte Silva. “Esperemos que a agarrem, com respeito por si próprios e pelos outros.”

O clube de Alcântara localiza-se a cerca de dois quilómetros da zona de Santos, onde, na semana passada, para evitar ajuntamentos, os estabelecimentos passaram a encerrar três horas mais cedo do que o habitual, entre quinta e domingo, às 23h. Para outros pontos alfacinhas de grande afluência noctívaga, como Bairro Alto e Cais do Sodré, foi também anunciado o reforço de policiamento.