Sporting mostrou a sua verdadeira cara na Alemanha mas voltou a perder

Um golo solitário de Donyell Malen nos minutos finais da primeira parte serviu de bandeja os três pontos ao Borussia de Dortmund. Os lisboetas terão uma jornada dupla com o Besiktas para manterem sinais de vida na Liga dos Campeões.

Foto
Malen festejou o único golo apontado em Dortmund Reuters/THILO SCHMUELGEN

Não foi por falta de ambição que o Sporting não trouxe pontos de Dortmund para manter as esperanças de seguir em frente na Liga dos Campeões. Sem nada a perder na Alemanha, os lisboetas estiveram por cima do jogo em vários momentos, acabando por sofrer um golo solitário num dos raros momentos de desconcentração. Sem o gigante Haaland no ataque, valeu Donyell Malen aos homens da casa.

O triunfo do Ajax frente ao Besiktas confirmado instantes antes do início do encontro de Dortmund, deixou as duas equipas mais pressionadas. Em particular os “leões”, goleados pelos holandeses em Alvalade na primeira ronda do Grupo C, por 5-1.

Sem qualquer ponto, a equipa portuguesa estava obrigada a pontuar para acalentar esperanças em ultrapassar a fase de grupos, algo que aconteceu apenas uma vez no formato Liga dos Campeões.

Para as esperanças dos lisboetas contribuiu ainda a confirmação da ausência do jovem goleador Erline Haaland, melhor marcador da última edição da Champions (10 golos em oito jogos) e responsável por 43,5% dos 23 golos do Borussia esta época em todas as competições (não contabilizando esta recepção ao Sporting).

O regresso de Sebastian Coates ao eixo da defesa trouxe também outra segurança à equipa de Rúben Amorim, depois do jogador ter falhado o encontro com o Ajax, por castigo disciplinar.

E a defesa do conjunto português esteve realmente irrepreensível em quase todo o encontro, sincronizada nas subidas que por várias vezes deixavam os jogadores adversários em fora-de-jogo, o que explica a falta de oportunidades claras dos alemães até ao minuto 37’ - e que levou a dois golos anulados ao adversário já na segunda metade.

Mas pouco depois da primeira meia hora de jogo, com dois toques pela zona central e um remate cruzado, a equipa da casa chegou à vantagem no primeiro remate que fez à baliza. Após uma recuperação de bola, o central Manuel Akanji iniciou uma transição rápida fazendo a bola romper pelo corredor central para o médio Jude Bellingham lançar Donyell Malen. O avançado holandês entrou na área e rematou sem oposição.

Um rude golpe para o Sporting que até criara mais perigo até então. O Borussia, que paulatinamente ia fazendo recuar o adversário, até então bastante pressionante em zonas mais “altas” do campo, ficava com o caminho facilitado.

Aparentemente abatidos nos instantes finais do primeiro tempo, os “leões” regressaram com a mesma ambição após o intervalo. Aos 58’, Rúben Amorim refrescou o ataque com Nuno Santos (retirando Tiago Tomás que o havia rendido nesta partida), para acompanhar Pablo Sarabia e Paulinho.

Bem organizado e personalizado, o Sporting foi crescendo no jogo e a arriscar, procurando empurrar os alemães para o seu meio-campo. Deixava também mais espaços para contra-ataques rápidos, com a bola a entrar na baliza em dois deles, mas com os golos anulados pelos tais fora-de-jogo provocados pela concentrada defesa liderada por Coates.

Os instantes finais trouxeram uma maior agressividade atacante do Borussia que, não querendo arriscar uma surpresa, foi criando várias oportunidades, que os “leões” iam abortando com maior ou menor dificuldade.

Com seis pontos de desvantagem dos dois primeiros classificados do Grupo C, os lisboetas têm agora pela frente uma jornada dupla frente a um Besiktas que está perfeitamente ao seu alcance. Dois resultados positivos, poderão manter viva a esperança dos oitavos-de-final ou pelo menos deixar encaminhado uma permanência nas competições europeias, pela porta da Liga Europa.