Covid-19: Portugal prepara-se para última fase de desconfinamento. EUA aprovam terceira dose para maiores de 65 anos e grupos de risco

As principais notícias desta quinta-feira, dia 23 de Setembro, sobre a evolução da pandemia de covid-19.

Foto
Portugal prepara-se para última fase de desconfinamento Paulo Pimenta

Portugal prepara-se para entrar na última fase de desconfinamento, depois de o primeiro-ministro ter anunciado o levantamento de restrições a partir de 1 de Outubro. Nessa data, os bares e discotecas poderão reabrir mediante a apresentação de certificado digital ou teste negativo à covid-19 e os restaurantes deixarão de ter limite máximo de pessoas por grupo. Haverá também o fim das limitações de horários e dos restantes limites de lotação. 

Por outro lado, cai a obrigatoriedade de apresentar o certificado digital covid-19 para se ter acesso ao interior de estabelecimentos de restauração às sextas-feiras ao jantar e aos fins-de-semana. Deixa também de ser necessário apresentar o certificado digital para aceder aos hotéis e a aulas de grupo nos ginásios.

A apresentação do certificado digital continuará a ser necessária para realizar viagens por via aérea ou marítima, para visitas a lares ou estabelecimentos hospitalares e nos grandes eventos culturais, desportivos ou recreativos — cabendo à Direcção-Geral da Saúde (DGS) definir quais são os eventos de grande dimensão e quais as regras que se aplicam.

O uso de máscara continuará a ser obrigatório nos transportes públicos, lares, hospitais, grandes superfícies comerciais e em salas de espectáculos ou eventos como congressos e actividades semelhantes sempre que não seja possível manter uma distância de dois metros entre pessoas. Por outro lado, a máscara não será obrigatória nos espaços exteriores das escolas, ou seja, nos recreios. Também não será exigido o uso de máscara no interior dos restaurantes, bares e discotecas.

Segundo António Costa, a incidência da covid-19 em Portugal continental é de 140,1 e o índice de transmissibilidade — R(t) — fixa-se em 0,81. O primeiro-ministro sublinhou ainda que “Portugal está em primeiro lugar na vacinação”, com 83,4% da população com vacinação completa, e que “ao longo da próxima semana é previsível que alcancemos a taxa de vacinação de 85% da população vacinada”.

Portugal registou, na quarta-feira, mais cinco mortes por covid-19 e 885 casos de infecção pelo coronavírus SARS-CoV-2, segundo o boletim divulgado nesta quinta-feira pela DGS. Desde o início da pandemia, Portugal soma 17.938 óbitos atribuídos ao novo coronavírus em 1.064.876 infecções identificadas.

O organismo que regula a comercialização de medicamentos nos Estados Unidos autorizou a administração da terceira dose da vacina da Pfizer a pessoas com mais de 65 anos e também a idosos em risco de saúde ou especialmente expostos à covid-19. O grupo de pessoas em risco consiste em trabalhadores da saúde, professores, prestadores de cuidados, funcionários de supermercado, sem-abrigo e prisioneiros, explicou a Agência de Alimentos e Fármacos (FDA, na sigla em inglês).

Por sua vez, a Agência Europeia de Medicamentos disse esta quinta-feira esperar emitir, no início de Outubro, uma decisão sobre a eventual terceira dose de reforço da vacina anticovid-19, a administrar seis meses depois da segunda dose nomeadamente a vulneráveis, como solicitado pela Pfizer/BioNTech.