Não desejo Mahler só para alguns

Um extraordinário concerto na Gulbenkian trouxe Gustav Mahler em versão de câmara, com a voz de Valentina Farcas em osmose perfeita com a música terrena e elevada da Quarta Sinfonia.

Foto
Soprano Valentina Farcas com 15 elementos da Orquestra Gulbenkian Jorge Carmona - Gulbenkian Música

A Quarta Sinfonia de Mahler tem na sua origem simplesmente uma canção. É a canção que Valentina Farcas, soprano, cantou brilhantemente no último andamento da sinfonia, Das himmlische Leben (A vida celestial). O texto da canção vem de A trompa mágica do rapaz, uma colecção de antigas canções alemãs que Mahler tanto apreciava e tanto usou na sua música. A vida celestial é como uma brincadeira de crianças, canção de humor ligeiro onde se descrevem prazeres muito terrenos mas vividos no céu. Comida, vinho, música, dança, tudo deleita os sentidos, e tudo desperta para a alegria. Os anjos fazem pão, alguns santos observam, rindo. A soprano Valentina Farcas brilhou não só porque cantou sem falhas e com afinação precisa, numa osmose perfeita com a orquestra, mas sobretudo porque captou este carácter leve e lúdico da canção de onde toda a Quarta Sinfonia parte.