Como a Evergrande pode acelerar o já anunciado fim do “milagre” chinês

Numa altura em que os investidores sentem o efeito do incumprimento da Evergrande no pagamento da sua volumosa dívida, começam a fazer-se as contas ao abrandamento económico chinês que a travagem do sector imobiliário poderá gerar.

Foto
Reuters/ALY SONG

Haja ou não incumprimentos imediatos no pagamento da sua dívida e estejamos ou não perante um cenário de contágio financeiro ao estilo do Lehman Brothers, uma consequência da crise do gigante imobiliário chinês Evergrande parece ser já difícil de evitar: o previsto esgotamento do modelo económico chinês vai acontecer mais rapidamente do que o previsto, conduzindo a um abrandamento da expansão do país e retirando ao mundo aquele que tem sido o seu principal motor de crescimento dos últimos 20 anos.