Melvin Van Peebles, pai do novo cinema negro, morre aos 89 anos

Nos anos 70, com Sweet Sweetback’s, demonstrou que um realizador negro podia trazer uma visão muito pessoal a um público mais alargado.

Foto
O realizador Melvin Van Peebles em 2012 STEPHANE REIX /EPA

O realizador Melvin Van Peebles, figura cimeira do cinema afro-americano, morreu na terça-feira em Nova Iorque. Tinha 89 anos de idade. 

Van Peebles, cujo trabalho se estendia do cinema à escrita, passando pela música e teatro, influenciou toda uma geração de cineastas afro-americanos, incluindo Spike Lee e John Singleton, com filmes que passaram a apresentar a comunidade afro-americana sob uma nova luz e foram o centro do esplendor do cinema negro nos EUA nos anos 70.

O realizador ficou conhecido por dirigir clássicos do cinema independente como Sweet Sweetback's Baadasssss Song, The Story of a Three-Day Pass, Watermelon Man e Don't Play Us Cheap. Visto como o pai do movimento “blaxploitation”, no sentido em que davam pela primeira vez total protagonismo no grande ecrã à comunidade afro-americana,  Sweet Sweetback's demonstrou que um realizador negro podia trazer uma visão muito pessoal a um público mais alargado, escreveu o New York Times a propósito da morte do realizador. Foi filmado em 19 dias com um orçamento de 500.000 dólares, mas acumulou mais de 10 milhões de dólares nas bilheteiras, tornando-o o filme independente com maior sucesso financeiro na época.

O herói, Sweetback, ou anti-herói, é a estrela de um espectáculo de sexo num bordel, o homem errado no lugar errado, protagonista de um filme que explode em violência, sexo explícito e se torna um manifesto contra a estrutura de poder branco. O seu impacto no movimento negro foi enorme, especialmente nos Panteras Negras, grupo que usou técnicas radicais para lutar pelos direitos dos negros: Huey P. Newton, criador e ícone do movimento, disse sobre Sweet Sweetback's: “É o primeiro filme negro verdadeiramente revolucionário feito por um homem negro”. O filme foi dedicado pelo realizador “a todos os irmãos e irmãs negras que já sofreram o suficiente com O Homem”.

“Numa carreira sem paralelo, distinguida pela inovação incansável, curiosidade sem limites e empatia espiritual, Melvin Van Peebles deixou uma marca indelével no panorama cultural internacional através dos seus filmes, romances, peças de teatro e música”, defendeu em comunicado a Colecção Criterion, o distribuidor de muitos dos seus filmes, citado pela Lusa. Na próxima semana, a sua distribuidora tinha agendada a comercialização de uma caixa com a sua obra cinematográfica, Melvin Van Peebles: Essential Films

A morte do realizador, lembra o jornal Guardian, acontece alguns dias antes do Festival de Cinema de Nova Iorque celebrar os 5o anos de Sweet Sweetback’s Baadasssss Song