Na Gulbenkian há agora dois desenhos de Botticelli que nos levam ao inferno

Exposição assinala os 700 anos da morte de Dante Alighieri, o autor da Divina Comédia, e inclui desenhos e livros emprestados pela Biblioteca Vaticana. Ciclo de conferências que a acompanha começa hoje com José Tolentino Mendonça, o cardeal-poeta.

cultura,sandro-botticelli,fundacao-calouste-gulbenkian,museus,culturaipsilon,calouste-gulbenkian,
Fotogaleria
Na vitrine central da exposição, com os dois desenhos em destaque, só há obras da Biblioteca Vaticana Pedro Pina/Cortesia da Fundação Calouste Gulbenkian
cultura,sandro-botticelli,fundacao-calouste-gulbenkian,museus,culturaipsilon,calouste-gulbenkian,
Fotogaleria
Verso de um dos desenhos de Sandro Botticelli Pedro Pina/Cortesia da Fundação Calouste Gulbenkian
cultura,sandro-botticelli,fundacao-calouste-gulbenkian,museus,culturaipsilon,calouste-gulbenkian,
Fotogaleria
A faca de papel de René Lalique junto a uma obra em que Antonio Manetti (1423–1497) procura apontar onde fica o Inferno Pedro Pina/Cortesia da Fundação Calouste Gulbenkian
cultura,sandro-botticelli,fundacao-calouste-gulbenkian,museus,culturaipsilon,calouste-gulbenkian,
Fotogaleria
Faca de papel (c. 1900), de René Lalique Carlos Azevedo/Cortesia da Fundação Calouste Gulbenkian
cultura,sandro-botticelli,fundacao-calouste-gulbenkian,museus,culturaipsilon,calouste-gulbenkian,
Fotogaleria
Inferno (a minha fraqueza é muito forte), 2011, de Rui Chafes Catarina Gomes Ferreira

Vistos de longe são emaranhados de traços muito finos que ameaçam desaparecer. Para ficar com uma ideia do que ali está representado é preciso estar muito perto e saber esperar.