Paulo Leminski, para além do poeta

A exposição Múltiplo Leminski mostra-nos as variadas facetas do escritor e poeta de Curitiba que morreu nos anos 1980 e cujos livros de poesia são best-sellers no Brasil. Toda Poesia foi publicado em Portugal no ano passado.

Foto
Paulo Leminski foi professor, jornalista e cronista Rui Gaudêncio

A exposição Múltiplo Leminski, que está na Casa da América Latina, em Lisboa, até 3 de Novembro, mostra-nos a obra poética do escritor brasileiro Paulo Leminski  (1944- 1989)  — que em Portugal está toda reunida na edição Toda Poesia, publicada em 2020 pela Imprensa Nacional — mas também as suas canções, a sua prosa (romance, biografias de poetas Cruz e Sousa - o negro branco e Matsuó Bashô: a lágrima de peixe, por exemplo, os livros de ensaio, os infantis…), as suas traduções (de John Fante, Lawrence Ferlinghetti, Samuel Beckett, James Joyce, Yukio Mishima e até de Satyricon, de Petrónio a partir do latim) e o seu fascínio pela cultura oriental (era cinturão negro no judo).