“As mulheres precisam de perder o medo de usar a bicicleta na cidade”

Em Lisboa as mulheres já representam um quarto dos que pedalam no dia-a-dia, que é a proporção média europeia. Na Conferência Velo-City, que começa esta segunda-feira na FIL, especialistas de todo o mundo vão debater o que se pode fazer para as trazer, com as crianças, e os mais velhos, para a rua.

mobilidade,bicicletas,local,lisboa,ambiente,transportes,
Fotogaleria
Em Lisboa as mulheres já representam um quarto das pessoas que pedalam nas ciclovias da cidade,Em Lisboa as mulheres já representam um quarto das pessoas que pedalam nas ciclovias da cidade ,
mobilidade,bicicletas,local,lisboa,ambiente,transportes,
Fotogaleria
Em Lisboa as mulheres já representam um quarto das pessoas que pedalam nas ciclovias da cidade
mobilidade,bicicletas,local,lisboa,ambiente,transportes,
Fotogaleria
Em Lisboa as mulheres já representam um quarto das pessoas que pedalam nas ciclovias da cidade

No debate entre grupos barricados nas redes sociais, inúmeros portugueses — entre eles muitos lisboetas ou vizinhos de concelhos limítrofes agastados com o “desperdício” de espaço público precioso com a construção de vias cicláveis — queixam-se de que nenhuma mulher, no seu perfeito juízo, usaria uma daquelas ciclovias. Dizem que nenhum pai responsável deixaria que um filho as usasse, e desfiam mil e uma preocupações com os mais velhos que, não podendo pedalar, ficam prejudicados por não se lhes poder levar um carro até à porta. Haverá boas razões para discordar destes argumentos, mas eles não deixam de ser reflexo de uma imagem bem presente: nas cidades em que a bicicleta foi atirada para um canto, quem pedala são essencialmente homens e em idade activa, os “heróis” capazes de enfrentar o trânsito automóvel.