A cara que o IndieLisboa merece

A partir deste sábado e até 6 de Setembro, o 18º Festival Internacional de Cinema regressa às salas com uma programação marcada pela pandemia, para o bem e para o mal.

Foto
Miguel Valverde, um dos directores de um festival que há vários anos é “perseguido” por uma questão: o que é, hoje em dia, um filme “independente”, o que é um filme “do Indie”? Rui Gaudêncio

“Um filme ter a cara do Indie é bom ou é mau?” A pergunta é lançada, assim, a meio da conversa, por Miguel Valverde, um dos três directores do IndieLisboa, cuja 18ª edição arranca este sábado, 21, prolongando-se até 6 de Setembro (cinemas Ideal e São Jorge, Cinemateca Portuguesa, Culturgest e Palácio Galveias). Já perto do fim de uma conversa sobre (voltar a) fazer um festival durante uma pandemia, regressa a questão central que há vários anos “persegue” o Festival Internacional de Cinema de Lisboa: o que é, hoje em dia, um filme “independente” — na certeza de que o significado da palavra mudou muito em 18 anos — mas, sobretudo, o que é um filme “do Indie”?