Covid-19 em Portugal: nove mortes e 1610 casos. R(t) volta a descer, incidência cresce menos

Casos deste domingo representam uma descida face ao registo da semana anterior, interrompendo um mês e meio de aumentos semanais consecutivos nos boletins de segunda-feira. Há mais 40 pessoas internadas (num total de 919) e mais cinco em unidades de cuidados intensivos (são agora 198).

Portugal registou mais nove mortes por covid-19 e 1610 novos casos de infecção pelo coronavírus SARS-CoV-2, segundo o boletim divulgado nesta segunda-feira pela Direcção-Geral da Saúde (DGS), referentes à totalidade do dia de domingo. O R(t) desceu ligeiramente, mas a incidência a nível nacional mantém a tendência crescente: o índice de transmissibilidade é de 1,04 (estava em 1,07) e a incidência aumentou de 418,3 para 427,5 casos de infecção por 100 mil habitantes a 14 dias.

No total, o país contabiliza 17.301 óbitos por covid-19 e 954.669 casos confirmados desde o início da pandemia.

Os 1610 casos deste domingo representam uma descida face ao registo do mesmo dia da semana anterior, quando foram identificadas 1855 infecções. A descida interrompe assim uma sequência de seis semanas de aumentos consecutivos no início da semana: a última descida de uma segunda-feira para a seguinte tinha acontecido de 31 de Maio (435 casos) para 7 de Junho (388). Resultado desta estagnação no registo diário de casos, é também notório um abrandamento do ritmo de crescimento da incidência cumulativa reportada nos boletins da DGS.

Portugal mantém-se na “zona vermelha” da matriz de risco que guia o desconfinamento, com uma incidência que a nível nacional é agora de 427,5 casos de infecção por 100 mil habitantes a 14 dias – na sexta-feira era de 418,3, depois de ter sido reportada uma incidência de 409 na quarta-feira e de 391 na segunda-feira. Se considerarmos só os registos do continente, a incidência está em 439,3 casos por 100 mil habitantes. A matriz de risco é actualizada às segundas, quartas e sextas-feiras.

R(t) – índice de transmissibilidade, correspondente ao número de pessoas que são infectadas por alguém com o vírus activo – desceu para 1,04 a nível nacional, depois de na última actualização ter descido de 1,09 para 1,07. O valor continental, que também desceu de 1,09 para 1,07, está agora em 1,04.

Há mais 40 pessoas internadas nos hospitais portugueses, somando-se agora um total de 919 pacientes hospitalizados com covid-19. Destes, 198 estão em unidades de cuidados intensivos (mais cinco). O número de doentes internados é o mais alto desde 16 de Março, graças a um saldo de mais 84 hospitalizações nos últimos dois dias.

A DGS reporta no relatório de situação mais 1802 recuperações, elevando o total de pessoas recuperadas para 883.372. Excluindo estes casos e os óbitos, há menos 201 casos activos em Portugal que no dia anterior. São agora cerca de 53.996. Quer isto dizer que perto de 92,5% dos infectados recuperaram da doença, sendo que 5,7% dos casos ainda estão por resolver. Já a taxa de letalidade está abaixo dos 2% (1,81%).

Dos nove óbitos registados, cinco foram na região Norte, três foram em Lisboa e Vale do Tejo e um nos Açores. Entre as vítimas, cinco eram mulheres: uma com idade compreendida entre os 70 e os 79 anos e quatro com 80 ou mais anos. A covid-19 matou ainda, nas últimas 24 horas, três homens, dois entre os 70 e os 79 anos e um entre os 50 e 59 anos.

A região Norte é também a que teve maior número de casos, com 688 identificados durante as 24 horas de domingo. Seguem-se Lisboa e Vale do Tejo, com 519 casos, o Algarve, com 177, o Centro com 74, o Alentejo com 74, os Açores, com 58, e a Madeira, com 43 novas infecções.