Pelo menos 45 mortos após queda de avião no Sul das Filipinas

A bordo da aeronave, um avião de transporte militar do exército das Filipinas, seguiam 92 pessoas. Foram resgatados com vida pelo menos 40 passageiros.

exercito,acidentes,aviacao,mundo,filipinas,asia,
Fotogaleria
PHILIPPINES ARMY JFT SULU/Reuters
exercito,acidentes,aviacao,mundo,filipinas,asia,
Fotogaleria
BOGS MUHAJIRAN/Reuters
exercito,acidentes,aviacao,mundo,filipinas,asia,
Fotogaleria
PHILIPPINES ARMY JFT SULU/Reuters
exercito,acidentes,aviacao,mundo,filipinas,asia,
Fotogaleria
JTF/EPA

Pelo menos 45 pessoas morreram e dezenas ficaram feridas este domingo na queda de um avião de transporte militar do exército das Filipinas na ilha de Jolo. O avião despenhou-se e incendiou quando tentava aterrar, segundo fontes militares.

Entre as vítimas estão 42 militares que seguiam a bordo do avião de transporte C-130 e três civis que foram atingidos por peças da aeronave.

Segundo um comunicado do ministro da Defesa, Delfin Lorenzana, seguiam a bordo da aeronave 92 pessoas.

De acordo a agência Europa Press, o acidente provocou pelo menos 49 feridos e continuam desaparecidos cinco militares.

Pelo menos 40 pessoas foram resgatadas do aparelho em chamas, que caiu enquanto tentava aterrar na ilha de Jolo, na província de Sulu, disse à agência France-Presse (AFP) o general Cirilito Sobejana, que disse esperar que outras vidas sejam salvas.

Foto
PHILIPPINES ARMY JFT SULU/Reuters

“O socorro está no local, rezamos para que possamos salvar mais vidas”, sublinhou o general Sobejana.

As 40 pessoas resgatadas foram transportadas para o hospital.

O C-130 transportava vários militares destacados para uma força operacional conjunta de luta contra o terrorismo na ilha, de maioria muçulmana.

O exército filipino mantém uma forte presença no Sul do país, onde actuam os fundamentalistas islâmicos da rede Abu Sayyaf, considerada uma organização terrorista por Manila e Washington.

Vários atentados terroristas e raptos de turistas estrangeiros e missionários cristãos foram atribuídos e reivindicados pelos militantes da Abu Sayyaf.