O presente e o futuro de Avignon sussurram um nome: Tiago Rodrigues

O encenador português, que esta segunda-feira abre a 75.ª edição do festival com um espectáculo incitado e protagonizado por Isabelle Huppert, é um forte candidato a suceder a Olivier Py. O suspense deverá ser quebrado ao final da manhã pela ministra da Cultura francesa, Roselyne Bachelot.

isabelle-huppert,teatro-nacional-d-maria-ii,festival-avignon,tiago-rodrigues,teatro,culturaipsilon,
Fotogaleria
O Cerejal, com encenação de Tiago Rodrigues e Isabelle Huppert como protagonista, tem honras de abertura CHRISTOPHE RAYNAUD DE LAGE/FESTIVAL D'AVIGNON
isabelle-huppert,teatro-nacional-d-maria-ii,festival-avignon,tiago-rodrigues,teatro,culturaipsilon,
Fotogaleria
A plateia da Cour d'Honneur do Palácio dos Papas surgirá renovada neste 75.º Festival de Avignon que abre com O Cerejal de Tiago Rodrigues CHRISTOPHE RAYNAUD DE LAGE/FESTIVAL D'AVIGNON
isabelle-huppert,teatro-nacional-d-maria-ii,festival-avignon,tiago-rodrigues,teatro,culturaipsilon,
Fotogaleria
Ao centro a actriz portuguesa Isabel Abreu CHRISTOPHE RAYNAUD DE LAGE/FESTIVAL D'AVIGNON

Por que cabeça extravagante terá alguma vez passado a ideia de que algures num futuro próximo (nada a ver com ficção científica, e muito menos com um planeta sob a ameaça de um vírus terrivelmente contagioso) um português iria abrir o Festival de Avignon já coroado como seu director? E que cabeça mais extravagante ainda imaginaria um cenário em que tal português disputaria essa impossível nomeação com outro candidato nascido em Portugal, um certo José Manuel Gonçalves (leia-se: “Gonçalvés"), que após uma infância passada entre os imigrantes da banlieue parisiense veio a constituir-se primeiro como tenista e depois como programador cultural?