Petição propõe hospitais veterinários públicos e acessíveis nas universidades

Documento entregue nesta terça-feira na AR tem mais de 16 mil subscritores e terá de ser discutido em plenário. A ideia é tornar o serviço dos hospitais veterinários universitários mais barato.

Foto
Victor Grabarczyk

Uma petição que já reuniu 16.371 assinaturas pela criação de um hospital veterinário público é entregue na Assembleia da República nesta terça-feira de manhã. “A intenção não é criar um hospital de raiz mas sim que os hospitais que existem nas várias faculdades de Veterinária pelo país – as que são públicas, evidentemente -, se tornem novamente de acesso geral”, diz ao PÚBLICO Maria Cruz, autora da petição.

A também primeira subscritora partiu da sua experiência para fazer esta petição: a sua cadela labrador Petra esteve internada durante dois dias no Hospital Escolar Veterinário da Faculdade de Medicina Veterinária (FMV) da Universidade de Lisboa, em Monsanto, onde acabou por morrer por eutanásia, e a factura foi de 600 euros.

“Antes de ser eutanasiada, tinha um diagnóstico para uma intervenção e um orçamento de 1700 euros para uma estadia de cinco dias no hospital. São valores iguais a um hospital privado. A única diferença é que na FMV o depósito é de 200 euros e no privado é de 500; de resto está tudo igual. Estes preços não fazem sentido em hospitais veterinários escolares. Ainda há poucos anos a filosofia que tinham era diferente”, acrescenta Maria Cruz.

“O Hospital de Medicina Veterinária converteu-se num verdadeiro hospital particular”, queixa-se a autora da petição, que escreveu no texto que, “neste momento, não existe um hospital público veterinário, e tal privação põe em causa a saúde dos animais, correndo o risco de haver mais animais maltratados por não haver condições que permitam sustentar as despesas de saúde e assistência necessária”.

Actualmente há cursos superiores de Medicina Veterinária (e respectivos hospitais) nas universidades públicas de Évora, Lisboa, Porto e Trás-os-Montes e Alto Douro.

Por isso, pretende-se que estes hospitais das faculdades actuem como verdadeiramente públicos e que haja um escalonamento dos preços consoante os rendimentos dos donos dos animais ali tratados. “Numa altura em que se avançou tanto nos direitos dos animais, estes passam também pela dignidade no tratamento da sua saúde. Muitas vezes estamos a falar da prestação de cuidados básicos e essenciais para a saúde dos animais, mas que são incomportáveis para os donos”, argumenta Maria Cruz. Ter hospitais públicos com preços adaptados às possibilidades dos donos evitaria o abandono e maus-tratos, vinca a promotora da petição, que salienta os bons exemplos de algumas câmaras que têm apostado nos direitos dos animais de companhia.