E assim cá vamos, cantando e rindo

E se nos estivermos todos a habituar a este triste teatrinho da mediania; aos 20 anos a divergir da Europa; ao tribalismo acéfalo à esquerda e à direita; à bolha mediática que confundimos com o país?

E se o verdadeiro problema de Portugal for o exacto contrário daquilo que passamos o tempo inteiro a discutir? Não qualquer espécie de desejo de voltar aos tempos do Estado Novo, coisa que só existe na cabeça dos maluquinhos, mas o desejo de manter vivas a estrutura do corporativismo que o Estado Novo criou e alimentou, e que impedem a democracia portuguesa de se assumir verdadeiramente como uma democracia liberal?