Um homem que chora de mais

Sei bem que me perdeste o amor e o respeito por ser um homem que chora de mais. Quanto tudo aquilo que eu sempre quis foi rir contigo.

Foto
Unsplash

No dia em que soube que te ias casar, chorei copiosamente, sentado na plateia do recital de piano do nosso filho. O miúdo esforçava-se para tocar as primeiras notas de Für Elise, e eu lembrava-me da música de Bach debaixo da ponte do Central Park, anos antes, quando te adiantaste na caminhada que fazíamos a dois, sem eu perceber porquê, e foste a correr até ao violoncelista debaixo da ponte, pagando-lhe para que tocasse a Suite no. 2 Sarabande à minha passagem. E quando eu me aproximei do violoncelista, um rapaz que não devia ter mais de 20 anos, com uma camisola vermelha e calções, estavas ao lado, a sorrir como se me fosses pedir em casamento, mas afinal não, foi apenas uma surpresa musical que me deixou em lágrimas dada a beleza do momento. Devia ter sido eu a pedir-te em casamento, devia ter aproveitado a deixa e ter-me ajoelhado logo ali ao som de Bach. Afinal já estavas grávida do nosso filho, podia ter tido esse gesto surpreendente. Mas não, eras sempre tu a tomar a iniciativa.

Sugerir correcção
Ler 1 comentários