Reportagem do PÚBLICO sobre centros de acolhimento ao sem-abrigo ganha prémio da ANMP

A reportagem Nos centros de acolhimento aos sem-abrigo, o consumo não gera preconceito foi distinguida com o primeiro prémio da edição de 2021 do prémio ANMP de Jornalismo e Poder Local.

Foto
A reportagem do PÚBLICO explora a situação vivida por pessoas em situação de sem-abrigo em Maio de 2020 em Lisboa Nuno Ferreira Santos

A reportagem Nos centros de acolhimento aos sem-abrigo, o consumo não gera preconceito, da jornalista do PÚBLICO Cristiana Faria Moreira, foi distinguida com o primeiro prémio de Jornalismo e Poder Local da Associação Nacional dos Municípios Portugueses (ANMP).

A peça, que inclui imagens do fotojornalista Nuno Ferreira Santos e um vídeo da jornalista Teresa Abecasis, retrata a situação vivida pelos sem-abrigo em Lisboa em Maio de 2020 e responde à pergunta: como se trata pessoas com dependências e se pede para que mantenham o confinamento? A resposta é dada pelas pessoas que frequentam os centros e as equipas de apoio. 

Como a propagação da covid-19, foi preciso criar respostas específicas para casais, pessoas LGBTI, pessoas com mobilidade reduzida e pessoas com dependências de álcool e drogas a procurar ajuda nos centros. Leia aqui o trabalho na íntegra.

Na categoria de rádio, foi atribuído o primeiro prémio ao trabalho Até já. Madeira da jornalista da Antena 1, Celina Faria. Há também uma menção honrosa atribuída ao trabalho Pobreza, Periferia e Pandemia de Arlinda Brandão, também da Antena 1.

A reportagem da SIC Regresso ao Vale do Côa e Parque do Caliço sob investigação, de Madalena Ferreira, receberam o primeiro prémio na categoria de televisão. Fechados sem chave, de Miguel Domingos, da SIC, recebeu uma menção honrosa da ANMP na mesma categoria.

O vazio da pandemia, de Pedro Ramos, foi eleito o melhor trabalho de fotojornalismo.