Cultura ensaia um novo olhar sobre o bairro de Couros, em Guimarães

O movimento “Uma Casa no Bairro”, da associação cultural Ó da Casa, leva, esta semana, teatro e música aos tanques de Couros. Até Outubro, aquela zona será palco de outras manifestações artísticas. O objectivo é olhar o Bairro C a partir de várias perspectivas.

Foto
Paulo Pimenta

Uma casa de madeira ergueu-se sobre os tanques de Couros, em Guimarães. Por baixo, corre o rio que baptiza aquela zona, vagueando pelos quadrados graníticos que testemunharam da tradição do trabalho do couro na cidade. Esta empreitada, que até a terraço tem direito, não descaracteriza o lugar nem representa um empreendimento turístico; é, antes, uma instalação temporária para se olhar para aquele sítio com outros olhos. Essa é a premissa do movimento Uma Casa no Bairro, criado pela associação cultural vimaranense Ó da Casa, que leva, entre estas quarta e sexta-feira, três espectáculos de música e de teatro ao Largo da Cidade, onde se situam os tanques.

Jorge Matos, da associação, aprofunda o conceito: “Apercebemo-nos de que [no Bairro de Couros] haveria potencial para criar situações inusitadas, para fazer emergir casas dentro do bairro e fazer uma reflexão sobre as noções de território, pertença, lar, casa.” Daí que se veja ali uma casinha de madeira sobre os tanques — o propósito é mesmo fazer com que se desvie o olhar da rotina e se mire o habitual com outros olhos, “porque quem por aqui passa, passa, não olha nem pára muito”, repara Marisa Cardoso, outra das responsáveis pelo movimento apoiado pelo programa municipal IMPACTA.

Foto
Paulo Pimenta

O primeiro a subir ao palco-casa é Mira Quebec, projecto a solo de José Pedro Caldas, dos vimaranenses Paraguaii. Depois, na quinta-feira, Anja Calas e Zurrumurru voltam a casa para “apresentar uma abordagem sonora ao vivo” para aquele lugar através de um concerto-performance chamado CauliFlower. Os últimos inquilinos serão os alunos do curso de Teatro da Universidade do Minho que, em articulação com José Eduardo Silva e o NIEP (Núcleo de Investigação em Estudos Performativos), levam a Couros a peça Jaula. Todos os espectáculos começam às 21h e são de entrada livre, havendo lugar para cerca de 70 pessoas por dia.

A plateia estará dispersa pelos caminhos que circundam o palco, numa espécie de “anfiteatro natural” ao ar livre. Mas Junho não será o único mês em que o Uma Casa no Bairro vai explorar a zona de Couros: até Outubro, o movimento continuará a “reinterpretar e reviver” aquele sítio através de “interpretações, lançamentos ou esculturas”. O objectivo é estender a ocupação artística naquele lugar até à edição deste ano do Noc Noc, o festival de rua que preenche vários espaços do centro da cidade ­— de casas a lojas ou cafés —, organizado pela Ó da Casa há uma década. A agenda cultural vimaranense reserva, desde 2011, a primeira semana de Outubro para o certame, que no ano passado celebrou a sua 10.ª edição dentro de um parque de estacionamento.  

Foto
Paulo Pimenta

Reler Couros com a comunidade

A ocupação dos tanques pelas tábuas de madeira, garante Jorge Matos, não é intrusiva: “Traçamos um desenho que respeita o perfil dos tanques, não existe nada que impacte, nada está fixo à estrutura. Foi o perfil dos tanques que permitiu criar o palco.” E esta é uma abordagem mais simpática ao local, que a autarquia vimaranense quer ver distinguida pela UNESCO como Património Mundial da Humanidade, do que algumas sugestões do passado.

Natural de Guimarães, o membro da Ó da Casa recorda-se de ouvir, há décadas, outras sugestões para aquele lugar: “Quando era miúdo, os tanques não valiam nada. Havia quem perguntasse: ‘Por que não se enche isto de cimento para nos sentarmos? Por que não se parte o muro e se faz um estacionamento?’”, recorda. Agora, os planos são outros. A Câmara Municipal de Guimarães apresentou, no ano passado, o Bairro C. A inicial solitária vem de Couros, claro, e o que se procura é reler o espaço público que compreende, também, o Teatro Jordão, a Rua da Caldeiroa e percursos que se estendem até à Casa da Memória e ao Centro Internacional das Artes José de Guimarães (CIAJG).

Foto
Paulo Pimenta

O Uma Casa no Bairro ajuda nessa nova leitura: “Parte da nossa programação que há-de vir passará por trabalho com a comunidade, para perceber o que se faz por aqui e ouvir as vozes que se levantam. Estamos a pensar no futuro com a população, que vive e respira [a Zona de Couros]”, explica Jorge Matos. Ainda assim, esse é um trabalho que o Noc Noc e outras “intervenções culturais” da associação têm vindo a fazer ao longo dos anos. “É nisso que trabalhamos: na transformação de um espaço urbano num espaço destinado à arte, ocupando um passeio da rua, uma parede, uma mercearia, para dar essa dimensão de espaço de celebração de arte”, acrescenta.

Nesse aspecto, “o bairro é fantástico” — mesmo que a nova habitação que ali se ergue, com um pátio histórico, seja efémera. As portas estão abertas, ao longo desta semana, para ir “viver o Bairro C, o que ele representa e há-de representar”.