Equidade das escolas – como medir e como agir?

Parece claro, desta análise, que quer pela via dos resultados do PISA, quer pela via dos resultados internos relativos aos exames nacionais, Portugal tem um caminho importante a percorrer na promoção da equidade.

Foto
Daniel Rocha

É sabido que o contexto socioeconómico do aluno tem impacto no seu desempenho académico – os vários anos de evidência de estudos PISA e outros estudos relevantes mostram isso mesmo, que alunos provenientes de condições socioeconómicas mais desfavorecidas tendem a apresentar resultados escolares mais baixos. Quando falamos de equidade na educação, e adotando a perspetiva da OCDE, consideramos que esta significa que os resultados dos alunos são apenas determinados pelas capacidades e pelo esforço dos alunos e não por fatores não controláveis pelo mesmo, como o seu contexto socioeconómico, a sua etnia ou género. Isto é, estaremos perante escolas equitativas e sistemas educativos equitativos quando a cada aluno forem dadas as mesmas oportunidades para realizarem o seu potencial de aprendizagem, e quando os resultados dos alunos não dependerem de fatores pessoais e circunstanciais, mas apenas da sua capacidade e esforço.