A arte da construção dos moliceiros pode vir a ser património da UNESCO

Pela Ria de Aveiro já se pensa na classificação de Património Cultural Imaterial da UNESCO. A proposta poderá envolver diversas autarquias, de Estarreja à Murtosa e Ovar ou mesmo Moita.

estarreja,ovar,unesco,fugas,aveiro,turismo,
Fotogaleria
Adriano Miranda
estarreja,ovar,unesco,fugas,aveiro,turismo,
Fotogaleria
Adriano Miranda
estarreja,ovar,unesco,fugas,aveiro,turismo,
Fotogaleria
Adriano Miranda
estarreja,ovar,unesco,fugas,aveiro,turismo,
Fotogaleria
Adriano Miranda
Fotogaleria
Adriano Miranda
Fotogaleria
Adriano Miranda
,Velejar
Fotogaleria
Adriano Miranda
,Barco
Fotogaleria
Adriano Miranda

Será difícil imaginar a ria de Aveiro sem as suas embarcações tradicionais, moldadas pelas mãos dos mestres carpinteiros. A construção naval faz parte do ADN da laguna e há até planos para a candidatar a Património Cultural Imaterial da UNESCO. Uma classificação que, a confirmar-se, podia ajudar a dar-lhe continuidade, através do ensinamento da arte e da passagem das memórias e dos testemunhos.

A proposta, segundo avança Isabel Pinto, vereadora do Turismo da Câmara de Estarreja, deverá envolver várias autarquias, nomeadamente Murtosa e Ovar. “Inclusive o município da Moita, onde existem carpinteiros navais descendentes de pardilhoenses”, acrescenta a autarca.

Esta aposta surge na sequência de outros esforços que os municípios têm vindo a ser feitos com vista a preservar este saber fazer. Em Estarreja, está já concretizada a construção do Centro de Interpretação da Construção Naval, em Ribeira da Aldeia, Pardilhó. A infra-estrutura nasceu a partir da recuperação de um antigo estaleiro, adquirido pela autarquia ao mestre José Pitarma. “Para além de um espaço de memória, onde se pode contar a história da construção naval em Pardilhó, também terá uma vertente escola, com a dinamização de um curso em parceria com a Formar”, anuncia Isabel Pinto.

No município vizinho, também está praticamente concluída a requalificação do Estaleiro Museu da Praia do Monte Branco, na Torreira – aqueles que fizerem a grande rota no Verão já o encontrarão de portas abertas.O espaço já existia, desde 2011, mas a Câmara Municipal da Murtosa decidiu dar-lhe novas e melhores condições, associando ao estaleiro um centro interpretativo.

“Construímos um novo módulo, que passa a ser ocupado pelo estaleiro, uma vez que este precisa de um espaço mais amplo dado o porte das embarcações; a parte onde antigamente estava o estaleiro passa a ser centro interpretativo”, explica o vereador Januário Cunha, que abriu as portas do espaço à Fugas.

Depois desta requalificação, quem ali chegar vai ficar a conhecer “as técnicas de produção, o papel e história das embarcações, a importância da ria enquanto via fluvial e depois pode observar o mestre Rito a trabalhar ao vivo e fazer as perguntas que entender”, acrescenta o autarca, que estima ver o espaço aberto ao público até ao final de Junho.