Fábia Rebordão e outras cores para vestir o fado

Ao terceiro disco, Fábia Rebordão encontrou na linguagem electrónica novas formas de vestir o fado. Eu Sou, em CD duplo, flutua elegantemente pela pop sem descurar as raízes.

Foto
Jorge Portugal

Não era para ser um disco duplo, mas a pandemia ditou-lhe esse destino. Se no álbum de estreia, em 2011, Fábia Rebordão já se começava a desprender das estritas malhas do fado, embora chamando a esse disco Fado, A Oitava Cor, nos seguintes quis aclarar um caminho que passava por outras cores musicais. E os novos títulos parecem ser partes de uma peça em construção: Eu, em 2016, e agora Eu Sou, que é lançado esta sexta-feira.