Fotografia

Um ensaio sobre “deixar de só querer o que está longe”

Daniela Rocha procura as semelhanças entre o que está lá fora e o que já existe dentro de casa. Numa viagem ao primeiro confinamento e ao desânimo de estar fechada, a fotógrafa retrata o equilíbrio entre a vontade de procurar o desconhecido e o encontrar-se no que já se conhece.

Daniela Rocha
Fotogaleria
Daniela Rocha

Vinte dias depois do início do primeiro confinamento, em 2020, quando a pandemia ainda parecia uma irrealidade, Daniela Rocha pegava na câmara fotográfica pela primeira vez e procurava alguma criatividade num lugar onde “nada parecia bonito” e nada, à partida, “ficava bem”.

A fotógrafa de 27 anos começa por explicar a dificuldade em encontrar beleza no que nos é “tão familiar”, de fotografar o sítio onde se encontrava todos os dias confinada – em casa, com a família, em Braga. Assim que as caminhadas passaram a ser permitidas, a jovem, que está a acabar o curso de Fotografia no Instituto Português de Fotografia, no Porto, queria “matar saudades” e começou a levar a câmara para fotografar na rua, “sem compromisso”. “À medida que ia fotografando ia reparando que algo também era familiar. Aquilo que eu estava à procura, que chamava o meu olhar, era muito familiar”, revela ao P3.

What is out there, we can find it inside é um trabalho fotográfico que se foca nas formas e nos sentimentos de quem esteve confinada. A necessidade de procurar coisas novas foi colmatada com encontros inesperados, nas ruas da cidade de Braga, com aquilo que Daniela tinha em casa e com a vontade, na altura maior do que nunca, de escapar à rotina foi sossegada pelas parecenças entre o que estava fora e o que se encontrava dentro de quatro paredes.

“Habituamo-nos tanto a uma coisa que deixamos de achar bonito e lá fora aparece-nos exactamente a mesma coisa”, as mesmas formas, os mesmos detalhes. “E parece-nos bonito.” 

Pela lente de uma câmara analógica, a preto e branco, como é característico de Daniela Rocha, as imagens, que passeiam entre caminhadas de cerca de 20 minutos pelas redondezas e a sua casa, representam simultaneamente um plano de fuga e o valor daquilo que está perto. Este é “um trabalho mais conceptual, mais ligado às formas, ao acaso, mais ligado à sorte, por assim dizer”: do lado esquerdo está representado o que foi visto na rua e, do lado direito, aquilo “tinha em casa”.

O retrato da experiência de estar fechada em casa foi, inicialmente, como “ver a mesma fotografia durante uma semana” e procurar defeitos em cada detalhe, mas no fim abarca uma mensagem de esperança. É sobre “dar mais atenção ao que está perto” e “deixar de só querer o que está longe” – sobre encontrar o equilíbrio entre o desejo do desconhecido e o que já se conhece, encontrar “a familiaridade entre o que acontece para além da janela” e o que, outrora, passava despercebido no interior.

Texto editado por Ana Maria Henriques

Daniela Rocha
Daniela Rocha
Daniela Rocha,Daniela Rocha
Daniela Rocha
Daniela Rocha
Daniela Rocha,Daniela Rocha
Daniela Rocha
Daniela Rocha
Daniela Rocha
Sugerir correcção