Sobre a solidão: duas lições da pandemia

Há que investir nos profissionais das áreas social/cultural e da saúde e promover formas de resiliência comunitária. Não o podemos fazer se continuarmos a privilegiar a precariedade laboral e os salários baixos.

Foto
LUSA/PAUL BRAVEN

A pandemia por covid-19 revelou e exacerbou o problema da solidão nas nossas sociedades. Da solidão das pessoas que vivem sozinhas, mas também daquelas que não vivem sós, das que estão afastadas dos familiares e amigos, designadamente dos emigrantes, dos idosos que residem em lares, das crianças e adultos que se encontravam já confinadas e confinados em instituições, ou das pessoas que estavam hospitalizadas. Ou ainda da solidão das vítimas de violência doméstica, que no confinamento encontravam menos recursos para lutarem contra este flagelo.

E também a solidão das famílias que subitamente se encontraram sem rendimentos para ter o que colocar na mesa à refeição. Da solidão das trabalhadoras e trabalhadores da cultura e de outros sectores marcados pela precariedade e pela informalidade, que foram, em grande medida, abandonadas/os pelo Estado neste ano difícil. Mais do que nunca, tomámos consciência de como a solidão afectava já grande parte de nós, embora por vezes de forma mascarada. Com a pandemia não foi mais possível esconder nem mascarar esses sentimentos.

E é por isso que vale a pena lembrar que a solidão mata e, se não estivermos atentos, fá-lo de forma invisível e silenciosa. Como combatê-la? Uma das lições desta pandemia foi mostrar-nos quão fundamentais são na nossa sociedade, e foram particularmente no ano de 2020, os projectos de âmbito social no combate não apenas à pobreza, mas principalmente à solidão. Desde as linhas telefónicas de apoio social/psicológico a projectos mais ou menos formais de âmbito local e comunitário que visaram o combate à solidão das pessoas idosas, ou a diminuição do isolamento social das crianças e dos jovens. Tornou-se evidente a importância de termos profissionais de qualidade e com formação adequada a trabalhar na área social, estejam estes ligados a instituições de solidariedade social, ONG, instituições privadas ou estatais, sem esquecer os cientistas sociais. Esta tem de ser uma área prioritária a apostar para o futuro: a formação adequada e emprego e salários dignos dos trabalhadores e trabalhadoras das áreas sociais/culturais e da saúde.

O que a pandemia por covid-19 revelou também é que a tecnologia, incluindo as redes sociais e outras plataformas de comunicação à distância, não foi suficiente para colmatar os sentimentos de solidão. O contacto humano presencial revelou-se essencial, assim como as redes sociais de vizinhança e as actividades socioculturais, desportivas e de lazer a nível local. O café e a rua fizeram-nos falta no confinamento como lugares privilegiados de socialização. Essa foi outra das lições da pandemia: a de nos lembrar como é fundamental a construção de redes sociais de vizinhança que possam gerar formas de suporte e resiliência comunitária em casos de crises sanitárias ou de outros tipos. Mas não podemos ter redes sociais de vizinhança enquanto grande parte dos trabalhadores e trabalhadoras forem forçados a uma constante mobilidade, pelas políticas de precarização e flexibilização laboral e pela enorme subida do valor da habitação nas grandes cidades.

Há, portanto, duas lições a tirar desta pandemia se queremos sobreviver como sociedade e resistir a novas crises, incluindo a crise económica que se aproxima: investir nos profissionais das áreas social/cultural e da saúde e promover formas de resiliência comunitária. Não o podemos fazer se continuarmos a privilegiar a precariedade laboral e os salários baixos.