Coronavírus

Mariana vem à janela desenhar o que pensa fechada em casa

Fotogaleria

Mariana Flores riu-se com a simpatia do vizinho da frente, a quem se tem oferecido para ir fazer as compras. "Hoje ele veio perguntar-me se precisava de alguma coisa, que ia ele", relata numa tira de banda desenhada a ilustradora de livros infantis. "Mas... o meu vizinho tem, pelo menos, 70 anos. Acho que não percebeu bem a ideia."

A solidariedade entre vizinhos é o tema dos primeiros quadradinhos que captam os pensamentos da artista em confinamento há mais de uma quarentena. "Durante os primeiros tempos estava a manter-me muito ocupada. Há quem faça precisamente o contrário. Tudo é válido", diz Mariana, habituada a trabalhar a partir de casa, entre escapadelas para a livraria-café Arquivo, em Leiria

O cancelamento da 57.ª edição da Feira do Livro Infantil e Juvenil de Bolonha, em Itália, onde ia mostrar propostas para livros, marcou o início de muitos planos de trabalho adiados, desde workshops a lançamentos de livros. A quebra de vendas de livros em Portugal, que ascendeu aos 68% em Março, não trouxe um cenário mais positivo a quem pensa nos livros "sempre como o objectivo final". Muitos estão agora fechados na gaveta. 

Vem também daí o humor "cada vez mais negro", que, às vezes, até a autora surpreende. Entre a confusão nos pedidos de apoio à quebra da actividade dos trabalhadores independentes — "sinto que o meu emprego é mais acompanhar os decretos do Governo do que outra coisa" — e sintomas que a cansam sem um diagnóstico, o "sentido de humor ajuda a aligeirar a situação". "Quando criamos um livro infantil é um projecto muito solitário e não podemos revelar nada durante muito tempo", conta. Nas ilustrações que publica nas redes sociais, e nesta galeria em actualização, o contacto com quem folheia (ou faz scroll) pelo seu trabalho é maior e chega menos adiado, uma combinação satisfatória em dias de distanciamento social, conta. 

Perguntámos-lhe se é ela quem vemos à janela a desabafar — "top", expira, a certa altura. "É um auto-retrato", confirma-nos, que em três quadradinhos vai da indignação ao sorriso (possível). 

Mariana Flores
Mariana Flores
Mariana Flores
Mariana Flores
Mariana Flores
Mariana Flores
Mariana Flores
Mariana Flores
Mariana Flores
Mariana Flores
Mariana Flores
Mariana Flores
Mariana Flores
Mariana Flores
Mariana Flores
Mariana Flores
Sugerir correcção