O estilo como efeito especial

Menos um filme “georgiano” do que um filme “internacional”.

,2020 Festival Internacional de Cinema de San Sebastián
Fotogaleria
ipsilon-papel,cultura,ipsilon,critica,cinema,culturaipsilon,
Fotogaleria
ipsilon-papel,cultura,ipsilon,critica,cinema,culturaipsilon,
Fotogaleria
ipsilon-papel,cultura,ipsilon,critica,cinema,culturaipsilon,
Fotogaleria
ipsilon-papel,cultura,ipsilon,critica,cinema,culturaipsilon,
Fotogaleria
Drama
Fotogaleria

É o começo de O Começo que começa por entusiasmar. Longuíssimo plano fixo no interior de um salão, pessoas a chegar para uma cerimónia religiosa, movimento do fora do campo para dentro do campo e, minutos depois, pequeno apocalipse não anunciado, uma explosão que sacode o cenário. O entusiasmo mitiga-se depressa, quando se percebe que o plano fixo e longo — elemento preponderante na “gramática” da georgiana Dea Kulumbegashvili — está como uma receita para o “estilo”, fabricação calculista de um efeito.

Sugerir correcção
Comentar