“A capitalização das empresas tem de ser feita com alguma urgência”

Ricardo Mourinho Félix, vice-presidente do Banco Europeu de Investimento, defende que os Estados devem usar o fundo de recuperação para apoiar a solvência das empresas.

plano-recuperacao-resiliencia,ricardo-mourinho-felix,investimento,empresas,economia,
Fotogaleria
daniel rocha
plano-recuperacao-resiliencia,ricardo-mourinho-felix,investimento,empresas,economia,
Fotogaleria
daniel rocha
plano-recuperacao-resiliencia,ricardo-mourinho-felix,investimento,empresas,economia,
Fotogaleria
daniel rocha

O Banco Europeu de Investimento (BEI) está a negociar com o Governo formas de cooperação que permitam a utilização dos fundos do plano de recuperação e resiliência para reforçar o capital das empresas, afirma Ricardo Mourinho Félix, o antigo secretário de Estado Adjunto das Finanças que é agora vice-presidente do BEI. Em relação às moratórias, o ex-responsável governativo defende que não faz sentido eliminá-las totalmente “enquanto não houver receitas”. “Assim teríamos estado apenas a arrastar um problema para outro momento no tempo”, diz.