Mina de lítio: Savannah propõe pagar 600 mil euros por ano à comunidade de Boticas

Consulta pública para ampliação da mina do Barroso termina a 2 de Junho. Savannah propõe Plano de Boa Vizinhança e Plano de Partilha de Benefícios para compensar comunidades locais dos impactos negativos do projecto de exploração de lítio.

Foto
Adriano Miranda

O projecto para a produção de 160 a 180 mil toneladas por ano de concentrado de espodumena na Mina do Barroso, uma concessão adquirida pela Savannah em 2017, vai trazer impactos ambientais negativos durante os 16 anos em que estará em laboração (12 em exploração, quatro em instalação e desactivação), mas que poderão ser compensados pelos benefícios sócio-económicos que o projecto trará para a região, e que vão perdurar depois do encerramento da mina. É esse o argumento usado pela empresa nas conclusões do Estudo de Impacte Ambiental para a ampliação da Mina do Barroso, que foi colocado esta quinta-feira em consulta pública pela Agência Portuguesa do Ambiente, até ao próximo dia 2 de Junho.