Líder do Sinn Féin pede desculpas pelo atentado contra Lorde Mountbatten

O tio e mentor do príncipe Filipe foi assassinado pelo IRA num atentado à bomba em 1979 na Irlanda.

Foto
Mary Lou McDonald lamentou o atentado que matou o lorde Mountbatten AIDAN CRAWLEY/EPA

A presidente do Sinn Féin, Mary Lou McDonald, pediu desculpas em público pelo assassínio de Lorde Mountbatten, tio do príncipe Filipe, em 1979 pelo IRA.

Mountbatten morreu em Agosto de 1979 quando explodiu uma bomba no pequeno barco onde estava ao largo da costa irlandesa. O atentado foi reivindicado pelo IRA, que na altura travava uma guerra contra as forças britânicas em nome da unificação da Irlanda do Norte com a República da Irlanda, e representou uma das acções mais simbólicas levadas a cabo pelo grupo armado.

Um dia depois do funeral de Filipe, que era muito próximo de Mountbatten, McDonald disse lamentar o atentado. Mountbatten era também uma figura tutelar para o príncipe Carlos. “Posso dizer que lamento o que aconteceu. É claro que é desolador”, disse Mary Lou McDonald numa entrevista à Times Radio, citada pelo The Guardian.

A líder do Sinn Féin, o braço político do IRA, extinto oficialmente em 2005, lembrou, no entanto, que “o exército e as forças armadas associadas ao príncipe Carlos levaram a cabo muitas, muitas acções violentas na nossa ilha”.

Ainda assim, McDonald quis sublinhar uma mensagem de apelo à paz. “Acredito que faz parte do trabalho de todos nós assegurar que mais nenhuma criança, mais nenhuma família, seja que for, sofra o mesmo trauma e desolação que era tão comum em todos os lados nesta ilha e além dela”, afirmou.

O pedido de desculpas público da líder do Sinn Féin representa uma mudança de postura na cúpula do partido republicano. O seu antecessor, Gerry Adams, lamentou a morte de Mountbatten, mas referia-se sempre aos riscos que o primo da rainha Isabel II sabia correr ao deslocar-se na Irlanda.