Peruanos vão a votos com pouca esperança de superar a crise política e mais de 200 mortes diárias pela covid

Entre os 18 candidatos a Presidente, nenhum aparece com mais de 10% nas sondagens. No meio da incerteza, apenas é previsível o arrastar do ambiente de crise.

Foto
Apoiante de Yonhy Lescano durante a campanha eleitoral SEBASTIAN CASTANEDA / Reuters

Será difícil que as eleições presidenciais deste domingo no Peru ponham termo à longa crise política em que o país mergulhou nos últimos anos, aprofundada pelo grande impacto deixado pela pandemia da covid-19. Num contexto de enorme incerteza, o menos arriscado é prever um regresso às urnas para uma segunda volta dentro de dois meses.