Barragens, borlas e benefícios

O negócio da venda das barragens da EDP é um espelho das prioridades do Governo em matéria de coesão e justiça territorial.

O escândalo resultante do processo da venda de seis barragens de Trás-os-Montes, por parte da EDP à Engie, é uma ferida aberta na nossa democracia. É ácido corrosivo nos valores da verdade e da transparência da governação de Portugal. É garrote que estrangula os sentimentos de justiça, fiscal e territorial, e de confiança dos cidadãos no papel do Governo no garante e na defesa do interesse público.