Uma “variante tóxica de líderes” aproveitou a pandemia para alargar o seu poder, denuncia a Amnistia

Perante a adversidade extrema trazida pela pandemia de covid-19, os governos falharam e as vitórias vieram de movimentos de protesto, nota a Amnistia Internacional no seu relatório anual sobre os direitos humanos.

Foto
Equipa médica de urgência trata um paciene de covid no Hospital Médico Universitário Jawahar Lal Nehru, em Bhagalpur, Bihar, Índia DANISH SIDDIQUI/Reuters

A pandemia de covid-19 expôs o resultado de “décadas de decisões discriminatórias” que condicionaram o acesso à saúde em muitos pontos do globo, especialmente a mulheres, profissionais de saúde e minorias étnicas, conclui a Amnistia Internacional no seu Relatório Anual do Estado dos Direitos Humanos no mundo. Se a pandemia marcou 2020, a grande vítima foi o direito à saúde, um “direito humano fundamental posto em causa em muitos países”, nota Pedro A. Neto, director executivo da Amnistia Internacional – Portugal.