Maria Luís Albuquerque faz escudo a Moedas no inquérito ao Novo Banco

Carlos Moedas depõe na próxima terça-feira na comissão de inquérito ao Novo Banco. Ex-ministra das Finanças garante que antigo secretário de Estado não tinha competências em matéria de sector financeiro, apesar de se ter reunido com Ricardo Salgado antes do fim do BES.

Foto
LUSA/TIAGO PETINGA

A ex-ministra das Finanças Maria Luís Albuquerque tentou esta quinta-feira esvaziar a audição de Carlos Moedas, que vai depor na próxima terça-feira no inquérito ao Novo Banco a pedido do PS, ao garantir que o antigo secretário de Estado e candidato social-democrata à Câmara Municipal de Lisboa não tinha competências no sector financeiro. 

Carlos Moedas era secretário de Estado Adjunto de Pedro Passos Coelho e fazia a ponte entre o Governo e a troika. A ex-governante adiantou aos deputados da comissão parlamentar de inquérito que o ex-secretário de Estado tinha o pelouro do acompanhamento das reformas estruturais do memorando assinado entre Portugal e os credores financeiros. “[Carlos Moedas] tinha uma visão global, com excepção das áreas do Ministério das Finanças que eram as contas públicas e o sector financeiro”, esta última competência partilhada com o Banco de Portugal. 

“Carlos Moedas não tinha competências, quaisquer que fossem, nesta matéria. Nem envolvimento sequer”, disse a ex-ministra, que respondia a questões dos deputados do PSD, que têm mostrado incómodo com o pedido do PS de chamar Carlos Moedas à comissão de inquérito ao Novo Banco

Os socialistas decidiram fazer um novo pedido de audições depois da inquirição de José Honório, antigo administrador do Novo Banco, e que aos deputados falou das reuniões em que acompanhou o líder histórico do BES, Ricardo Salgado, com vários responsáveis políticos à data dos factos que antecederam a resolução do BES. Carlos Moedas é o único a depor presencialmente, sendo também pedidos depoimentos novos por escrito ao ex-Presidente da República Cavaco Silva, ao antigo primeiro-ministro Pedro Passos Coelho, e ao ex-presidente da Comissão Europeia Durão Barroso.

“Todos sabiam da exposição do BES ao GES”, disse o socialista João Paulo Correia, quando pediu novas audições, acrescentando que, ainda assim, em Junho de 2014, “depois das reuniões decorreu o aumento de capital de 1000 milhões de euros”. “Não fizeram nada para impedir o aumento de capital que gerou lesados”, disse, lembrando também que houve declarações feitas por estes responsáveis de que a situação do BES era “sólida”.

Carlos Moedas acusou, esta quarta-feira, o PS de estar a usar a comissão de inquérito ao Novo Banco para fins políticos. “Não vou lá como ex-secretário de Estado, mas como candidato à Câmara de Lisboa”, disse numa sessão relacionada com a candidatura a Lisboa, na qual corre contra o socialista Fernando Medina.

Além de tentar proteger Moedas do que os social-democratas vêem como um ataque por causa das eleições autárquicas que se avizinham, a ex-ministra das Finanças negou que os responsáveis políticos na altura tivessem omitido a situação financeira em que o BES estava. “O que nós [o Governo] sempre dissemos é que a informação que obtivemos é de que os problemas não teriam contágio sobre a área financeira”, disse. “A minha actuação foi continuar a acompanhar junto do Banco de Portugal as medidas”, afirmou. Ou seja, “diligenciei” para apurar se os riscos estavam “devidamente acautelados”.

A ex-ministra considerou também que as medidas aplicadas pelo supervisor para proteger o BES e os clientes só foram insuficientes porque houve “desobediência” por parte da administração de Ricardo Salgado.