Governo já tem auditoria da Deloitte ao Novo Banco

Auditoria da Deloitte é sobre contas de 2019 mas tem de preceder nova injecção de capital no Novo Banco. Instituição pediu ao Fundo de Resolução mais 600 milhões sobre o exercício de 2020.

Foto
LUSA/MÁRIO CRUZ

O Governo já recebeu a auditoria da Deloitte às contas de 2019 do Novo Banco, sabe o PÚBLICO. A auditoria é essencial para uma nova injecção no banco, que na semana passada enviou ao Fundo de Resolução uma factura de 600 milhões de euros por conta dos prejuízos de 2020. 

O executivo esperava ter a auditoria até ao final de Março, prazo que se confirmou. O documento seguirá agora para o Parlamento, ainda numa versão confidencial, ao abrigo da lei 15/2019 que determina uma auditoria especial à gestão de um banco sempre que há injecção de fundos públicos. As contas de 2019 geraram uma chamada de capital de 1035 milhões de euros cujo cheque foi passado pelo Fundo de Resolução em Maio de 2020. 

Esta avaliação à gestão de 2019 será também útil para o pedido da nova injecção de capital que o Governo tem em cima da mesa. Em Fevereiro, o ministro das Finanças, João Leão, disse, em entrevista ao Jornal de Negócios, que “há uma outra auditoria, que manda a lei fazer, que esperemos que esteja concluída em breve, que tem de preceder qualquer transferência que o Fundo de Resolução faça para o Novo Banco”. 

Com a auditoria da Deloitte e depois de desencadeados os procedimentos de verificação das contas do banco, o Fundo de Resolução irá tomar uma decisão sobre os 600 milhões de euros. O Governo trabalha com o valor de referência que estava previsto no Orçamento do Estado para 2021, de 476 milhões de euros, como tecto para a injecção. No entanto, terá de encontrar forma de acomodar no Orçamento o montante que for injectado, visto que o Parlamento chumbou aquela transferência. 

Além desta auditoria, está outra em curso feita pelo Tribunal de Contas que, embora não tenha prazo de entrega, é esperada no Parlamento a tempo de antecipar uma nova injecção de capital.