Em Braga, há dois programas para apoiar a criação artística no concelho — da música ao teatro

Ao todo, a autarquia tem 37.500 euros para distribuir por projectos ligados à música, artes plásticas ou teatro. Para o ACTUM, as inscrições terminam a 13 de Maio. No caso do Olh’ó Teatro, as candidaturas fecham mais cedo, a 30 de Abril. Todas as criações apresentadas devem ser inéditas.

Foto
Paolo Chiabrando/Unsplash

Num intervalo de três dias, a Câmara Municipal de Braga anunciou as novas edições de dois programas que visam apoiar os colectivos, associações e agentes culturais do concelho. A segunda convocatória do ACTUM tem por objectivo “continuar a apoiar o desenvolvimento de criações e projectos de 35 artistas naturais ou residentes em Braga e que procurem apresentar as suas perspectivas disciplinares específicas sobre o presente e o futuro”, dinamizando o território concelhio. Já o Olh’ó Teatro quer que se pense o “território, o património material e imaterial, os usos, os costumes e as tradições locais”. Ao todo, a autarquia destina 37.500 euros para os dois programas. Mas o melhor é explicá-los separadamente. 

Com o regresso do ACTUM, o município vai apoiar até 10 projectos ligados à música e artes performativas e até 25 no âmbito das artes plásticas e visuais. Para os primeiros, o valor a atribuir é de 1000 euros; já no segundo caso, as criações seleccionadas recebem 500 euros. As candidaturas, informa a autarquia via comunicado de imprensa, “devem ser apresentadas até às 17h do dia 13 de Maio” e podem ser submetidas através de um formulário. Os resultados serão divulgados a 8 de Julho.

Para quem concorre aos apoios à música e artes performativas, a autarquia lembra que “os conteúdos do objecto artístico deverão ser originais, em termos de criação e/ou execução”. Os concorrentes devem ter em conta que o resultado da sua criação deve poder ser apresentado no auditório do Centro de Juventude de Braga, sendo “executado no estrito cumprimento das orientações vigentes da Direcção-Geral da Saúde”. Ao todo, o espectáculo deve ter entre 30 e 60 minutos de duração. As normas sanitárias também se aplicam aos interessados nos apoios às artes plásticas e visuais. Para além disso, a peça de arte deve ser “original e inédita”, sendo passível de “uma mostra colectiva” a realizar na Casa dos Crivos. Bónus: as 25 obras seleccionadas “serão expostas na plataforma de arte online da zet gallery, sem cobrança de qualquer comissão sobre eventuais vendas”. Outras informações, como o que entregar no acto de candidatura, podem ser lidas no documento das normas concursais.

No que diz respeito ao Olh’ó Teatro, serão seleccionados “até oito projectos” — que deverão ser inéditos, claro. Os apoios oscilam entre os 1000 e os 3000 euros. De acordo com o regulamento deste programa, “cada associação cultural ou colectivo de artistas/agentes culturais apenas poderá apresentar um projecto”. O espectáculo ou performance deverá ter, no mínimo, a duração de 40 minutos. Para além disso, “o transporte, montagem e materiais técnicos inerentes ao espectáculo ou performance, sejam estes cenários, figurinos ou equipamentos técnicos de luz, som e/ou multimédia”, ficam a cargo dos responsáveis pelo projecto seleccionado. Estes devem ter em consideração que a sua criação deverá ser apresentada publicamente “em espaço, data e horário a definir” entre si e a autarquia, tendo sempre em conta as orientações da DGS. As candidaturas ao Olh’Ó Teatro estão abertas até às 17h de 30 de Abril. Os resultados serão divulgados a 16 de Junho. Os seleccionados deverão contar com a apresentação das suas criações a partir do dia 1 de Setembro.

Com o programa, o município quer, para além de “promover o trabalho da comunidade artística bracarense”, incentivar a “ocorrência de acções culturais fora do perímetro urbano”. Daí que os seleccionados devam contar com “a apresentação em espaços não convencionais, com limitados recursos técnicos, sendo a capacidade de adaptação um factor fundamental e imprescindível para a apresentação final dos trabalhos apoiados”.