Subida do Rt devido a casos na Madeira é “artificial” e não pode servir para decidir sobre desconfinamento

Falha informática levou a acumulação de casos da Madeira por comunicar. Foram notificados depois todos na mesma semana. Rt nacional subiu, mas Instituto de Saúde Pública da Universidade do Porto desvaloriza.

Foto
Ines Fernandes

Um atraso na comunicação de dados referentes a novos casos de covid-19 na Madeira, e o consequente ajuste ocorrido durante a semana passada e o seu envio em massa, originou subitamente um aumento de casos no arquipélago contabilizados nos boletins diários da Direcção-Geral de Saúde (DGS). Resultado, o Rt, o índice de transmissibilidade do vírus, disparou para valores acima dos 0,9 a nível nacional. Se for superior a 1,0, significa que o número de casos diários está a aumentar. Isto, numa altura em que o Governo se prepara para anunciar o plano de desconfinamento.

O investigador do Instituto de Saúde Pública da Universidade do Porto (ISPUP), Milton Severo, confirma ao PÚBLICO esse aumento do Rt, mas desvaloriza-o. “Face a incidências baixas de casos, como acontece presentemente no país, os dados demonstram que o Rt não é suficiente para uma tomada de decisão [sobre o desconfinamento]”, explica. Milton Severo, dá um exemplo. “Se num dia tivermos 20 casos e no dia seguinte 40, teremos um Rt elevado, mas na prática poucos casos activos.” O que acontece, continua, é que, quando temos poucos casos, basta um pequeno surto, por exemplo, num lar, para o Rt subir. “Neste caso, não foi um surto, mas um atraso no reporte de dados da Madeira, que está a originar um aumento artificial do índice.”

Por isso, o ISPUP aconselha prudência e prefere aguardar pelo menos mais uma semana, para voltar a olhar para o Rt. “É preferível deixar os casos estabilizarem, pois, como foi um aumento artificial, será rapidamente corrigido”, defende Milton Severo, acrescentando que por esse motivo o ISPUP não irá calcular o Rt da Madeira nos próximos dias.

Também o Instituto Nacional de Saúde Dr. Ricardo Jorge (INSA) considera os valores empolados. Mesmo assim, sabe o PÚBLICO, o valor do Rt, que será divulgado esta sexta-feira, ficará abaixo dos 0,9.

Na Madeira, as autoridades de Saúde recusam assumir toda a responsabilidade pelo atraso na comunicação de novos casos, pois, disse ao PÚBLICO fonte do gabinete do secretário regional de Saúde e Protecção Civil, Pedro Ramos, o problema informático que originou a falha de comunicação foi comum aos dois laboratórios: o da Madeira e o do continente.

Madeira e DGS não se entendem na contagem de casos de covid

Recusam também os números que estão a ser divulgados diariamente pela DGS, principalmente nos últimos dias. Os valores não batem certo praticamente desde o início da pandemia, mas esta semana a diferença entre o número de novas infecções pelo SARS-CoV-2 divulgadas pela DGS em relação à Madeira e os dados anunciados pela autoridade de Saúde do arquipélago foi maior. Tanto que a Secretaria Regional de Saúde e Protecção Civil veio reclamar da discrepância dos dados, apontando o impacto negativo que os números reportados pela DGS têm no esclarecimento da opinião pública madeirense, e no sector do turismo, o motor económico da região autónoma.

O presidente do governo madeirense, Miguel Albuquerque, considerou esta quinta-feira, “surreal” os cálculos da DGS. “Não consigo perceber como é que eles chegam àqueles números”, disse aos jornalistas à margem de uma visita à zona oeste da ilha, lamentando a imagem que é transmitida pelos relatórios da DGS. “Afecta a imagem da Madeira, porque parece que isto está tudo de ‘pernas para o ar’ e não está”, afirmou, considerando que é melhor a DGS deixar a Madeira de fora dos balanços diários.

Antes, já na semana passada, o governo madeirense tinha reagido ao súbito aumento de casos reportados pela DGS, que contrastavam com os números bem mais reduzidos que a Direcção Regional de Saúde (DRS) divulga todos os dias. “Os números indicados são geradores de desinformação junto da população e são prejudiciais para a dinâmica do sector do turismo na região”, protestou o gabinete de Pedro Ramos, vincando que os “números fidedignos” são os que são reportados todos os dias pela DRS: “De forma clara, segura e transparente.”

Nesse dia, sexta-feira, dia 5 de Março, a DGS avançou com 163 novos casos de covid-19 para o arquipélago e ao final da tarde – os relatórios da Madeira são divulgados sempre a partir das 18h – a autoridade de Saúde madeirense reportava apenas 46. 

Mas a discrepância entre os relatórios emitidos em Lisboa e no Funchal começou uns dias antes, quando a DGS reportou 140 casos no dia 2 de Março, outros 140 no dia seguinte, e 106 no dia 4. Mais do dobro do que a DRS contabilizou nesses três dias. As diferenças continuaram nos dias seguintes, motivando novo comentário da autoridade de Saúde regional a 6 de Março, dia em que a DGS reportou 288 novas infecções pelo coronavírus, quando a Madeira só reconhecia 59.

“A discrepância dos números divulgados pela DGS, com um grande diferencial temporal, é geradora de desinformação junto da população e é prejudicial para a gestão de toda esta situação pandémica na Região Autónoma da Madeira”, repetiu a Secretaria Regional de Saúde.

Na origem deste problema, explica ao PÚBLICO o gabinete de comunicação da DGS, estiveram problemas informáticos que resultaram numa deficiente comunicação dos resultados dos testes laboratoriais efectuados na Madeira. A situação originou atrasos nas notificações, que foram “progressivamente introduzidas no sistema”, que as assumiu, como sendo novos casos.

“Neste momento, o problema já se encontra resolvido”, garante a mesma fonte, sublinhando a “confiança” da DGS nos dados fornecidos diariamente relacionados com a pandemia de covid-19 e considerando normal a ocorrência de atrasos na notificação laboratorial. “Rondam os 10% dos casos confirmados, com variações decorrentes do dia da semana”, quantifica a DGS, reiterando que são seguidas as melhores práticas da União Europeia, no reporte dos casos, que são introduzidos no Sistema Nacional de Vigilância Epidemiológica (SINAVE).

Estas variações ajudam a explicar as diferenças diárias entre o relatório da DGS e as informações que tanto a Madeira, como os Açores divulgam. No arquipélago açoriano os números da covid são também dissonantes dos reportados em Lisboa, mas as flutuações diárias não chegam para problematizar a questão. Mesmo assim, os totais têm diferenças consideráveis. A Direcção Regional de Saúde local contabiliza até à data 3921 casos de covid, que resultaram em 29 mortes. A DGS conta 3805 e menos um óbito.

Em relação à Madeira, a diferença é maior: 7719 casos e 67 óbitos, números do Funchal; 7935 casos e 64 mortes, dados da DGS. Estes valores podem não parecer significativos, mas segundo fonte do gabinete de Pedro Ramos foram suficientes, esta semana, para empolar o índice de transmissibilidade (Rt) do vírus na Madeira, o que tem implicações no turismo.

A DGS desvaloriza. “Apesar das discrepâncias nos números que possam ocorrer, é realizada toda a acção necessária para garantir o isolamento e seguimento clínico adequado dos casos e o rastreio dos contactos”, garante, explicando que na introdução de dados no Sinave (Sistema Nacional de Vigilância Epidemiológica) e no SICO (Sistema de Informação dos Certificados de Óbito), é utilizada a morada da ocorrência dos casos, mas, quando esta é omissa, fica a morada que consta no Registo Nacional de Utentes (RNU).

“A diferença de 3% no total de casos confirmados poderá ser explicada, na sua maioria, pelos casos [de pessoas] que moram no continente, mas continuam com morada do RNU na Madeira e em que não existiu uma correcção da morada pelo médico notificador. A mesma explicação existe na alocação das mortes covid-19 às regiões.”

Já a Madeira contabiliza para os números da pandemia no arquipélago os casos referentes a cidadãos residentes, com residência fiscal na região autónoma, e turistas que tenham um teste positivo à covid-19 à chegada ao Funchal.

Além da questão das moradas, a Madeira aponta a duplicação de notificações que é feita pelo sistema nacional, que muitas vezes assume como múltiplas infecções casos em que o mesmo paciente tem várias vezes um teste positivo, antes de estar recuperado.