Paul McCartney vai publicar autobiografia baseada nas suas canções

The Lyrics: 1956 to the Present tem já data de lançamento: 2 de Novembro deste ano. E resulta de uma longa conversa com o poeta irlandês Paul Muldoon.

Foto

A notícia foi avançada pelo próprio, a meio da semana, na sua página oficial: Paul McCartney vai publicar uma autobiografia, e a data de lançamento será o próximo dia 2 de Novembro. Mas não se trata de uma biografia convencional, antes de uma espécie de auto-retrato, baseado em 154 canções escritas desde 1956 até ao presente. “Um caleidoscópio, mais do que um relato cronológico” da vida do ex-Beatle, explica o comunicado da Allen Lane, que com a Penguin Press assegura a edição.

The Lyrics: 1956 to the Present é o título do livro de 900 páginas, em dois volumes, que se baseia numa longa sucessão de conversas entre o músico e compositor nascido em Liverpool em 1942 e o poeta irlandês Paul Muldoon (Portdown, 1951).

“Já várias vezes me perguntaram se eu iria escrever uma autobiografia, mas o momento nunca era o adequado. A única coisa que eu sempre consegui fazer, quer em casa quer na estrada, foi escrever novas canções”, escreveu Paul McCartney na sua página. “Sei que algumas pessoas, quando chegam a uma certa idade, gostam de consultar os seus diário para recordar acontecimentos do passado, mas eu não tenho esses apontamentos. O que tenho são as minhas canções, centenas delas, que cobrem toda a minha vida e que, na minha opinião, servem o mesmo propósito”, acrescenta o ex-Beatle, que encontrou em Paul Muldoon o parceiro ideal para revisitar a sua carreira e a sua vida.

Sir Paul e eu encontrámo-nos regularmente, nos últimos cinco anos, em sessões de duas ou três horas. Nelas conversámos, sempre de forma muito intensa, sobre o contexto em que tinham sido criadas meia dúzia de canções”, disse ao diário The Guardian o poeta irlandês (distinguido em 2003 com o Prémio Pulitzer pelo seu livro de poesia Moy Sand and Gravel).

Muldoon estabeleceu um paralelismo entre os seus encontros com McCartney e os que o ex-Beatle manteve durante longos anos com John Lennon (1940-1980) para escrever as canções para os famosos Fab Four. “Fazíamos questão de nunca abandonar a sala sem termos chegados a algo de interessante”, descreveu o poeta-entrevistador.

Além de recordar a criação dessa centena e meia de canções, que vão desde a primeira que escreveu, aos 14 anos, até à carreira nos Beatles, nos Wings e também a solo, Paul McCartney fala também das pessoas, dos lugares e do tempo que a elas estão associados, e do que pensa de tudo isso a partir do presente. A editora Allen Lane acrescenta que os dois volumes incluirão ainda material do arquivo pessoal do músico, como rascunhos, cartas e fotografias, muito dele inédito.

Paul McCartney diz esperar que o que escreveu mostre às pessoas algo de novo sobre as suas músicas e a sua vida. “Tentei explicar como é que a música acontece, o que ela significa para mim e aquilo que eu espero que signifique também para os outros”, acrescenta.

McCartney é autor, entre outros recorda The Guardian  dos livros Blackbird Singing, colectânea de canções e poemas criados entre 1965 e 1999; High in the Clouds, história para crianças escrita em parceria com Philip Ardagh; e da publicação ilustrada Hey Grandude!, baseada na sua relação com os oito netos e ilustrada por Kathryn Durst.