“Ficou claro” que EDP e Galp quiseram afastar o Resilient Group do hidrogénio

O empresário holandês Marc Rechter, que apresentou ao Governo a ideia para criar um grande pólo de produção de hidrogénio verde, queixa-se da actuação da EDP e da Galp e de ainda não saber por que foi o seu projecto afastado.

Foto

O empresário holandês Marc Rechter, que em 2019 esteve envolvido nas conversações entre o Governo português e as autoridades holandesas para uma parceria entre os dois países no hidrogénio verde, chegou a apresentar em Bruxelas, no começo de 2020, o projecto para produção em larga escala deste gás renovável em Portugal como um futuro candidato ao estatuto de Projecto Importante de Interesse Europeu Comum, ou IPCEI. Com o nome Green Flamingo, o projecto desenvolvido conceptualmente pela empresa Resilient Group (de Rechter e da mulher, Natalie Samovich) foi apresentado junto da Comissão Europeia como tendo a bordo a Galp e a EDP, entre outras empresas. Previa uma capacidade de produção de 465 mil toneladas de hidrogénio verde por ano, a criação de pelo menos cinco mil empregos e um investimento global de 3500 milhões de euros.