Dona Rosa, o seu Primo Basílio chegou

Se há entregas de comida ao domicílio, porque não também de livros? Iniciativa das Bibliotecas de Lisboa conta com grande adesão e já fez aumentar o número de utilizadores.

Carro
Fotogaleria
O sr. Albano carrega a carrinha de entregas Rui Gaudêncio
cultura,bibliotecas,camara-lisboa,local,livros,lisboa,
Fotogaleria
O percurso de sexta inclui paragens no Areeiro, Campolide, Lumiar, Estrela e Alcântara Rui Gaudêncio
cultura,bibliotecas,camara-lisboa,local,livros,lisboa,
Fotogaleria
Catarina Alvim analisa o percurso,Catarina Alvim analisa o percurso Rui Gaudêncio,Rui Gaudêncio
cultura,bibliotecas,camara-lisboa,local,livros,lisboa,
Fotogaleria
Os livros são divididos consoante a freguesia a que se destinam Rui Gaudêncio
cultura,bibliotecas,camara-lisboa,local,livros,lisboa,
Fotogaleria
Os pedidos não param de chegar às Galveias Rui Gaudêncio

Nas mãos de Catarina Alvim estão folhas que lhe sabem a liberdade. Aquele conjunto de nomes, telefones e moradas é o aliciante para mais uma ronda de entusiasmo, como se estivesse diante de um mistério policial que fosse preciso resolver.

Nos últimos quinze dias, de manhã ou de tarde, a funcionária das Bibliotecas de Lisboa (BLX) fez-se à estrada para ir buscar ou entregar livros directamente a casa dos leitores. Cada saída é uma descoberta – de ruas, de pessoas, de experiências. Para Catarina, que habitualmente trabalha na biblioteca itinerante, é também uma forma de regressar ao sítio onde se sente feliz. “Vou ter agora duas semanas de teletrabalho e isto vai-me fazer falta”, desabafa.

O serviço “BLX à sua porta” começou apenas a 8 de Fevereiro e a técnica municipal já só pensa em mantê-lo para lá do confinamento, para lá da pandemia, para chegar a quem quer ler e não pode ir à biblioteca. É já esse o objectivo da biblioteca itinerante, a grande carrinha que se instala por umas horas em certos bairros onde o acesso aos livros é mais difícil. Mas levá-los mesmo até casa das pessoas, como agora se está a fazer, é inédito.

A ideia surgiu ainda no ano passado durante o primeiro confinamento, mas com o país de regresso à semi-normalidade ficou numa gaveta. Até que, decretado o enésimo estado de emergência e encerradas as bibliotecas ao público, pôs-se o serviço em marcha. “No primeiro dia tínhamos 170 pedidos”, informa Fernanda Bandeira, coordenadora da Biblioteca Palácio Galveias.

É de lá que as carrinhas saem diariamente. Esta sexta, o percurso da tarde reservava paragens no Areeiro, em Campolide, na Estrela, em Alcântara e no Lumiar. “Mas é a cidade toda! Sapadores, Penha de França, Arroios. Ameixoeira também”, comenta o sr. Albano, motorista com 36 anos de câmara e 20 de bibliotecas. Mesmo antes deste serviço, ocupação não lhe faltava. “As bibliotecas têm muito trabalho, ando sempre de um lado para o outro, isto nunca pára. Nem damos pelo tempo passar, às vezes precisava de mais horas no dia”, diz bem-disposto.

Foto
Quem lida com os livros a entregar veste umas batas que, por vezes, assustam os leitores. Mas é para sua segurança Rui Gaudêncio

A primeira paragem da tarde é na Avenida de Paris, não muito longe do Campo Pequeno onde fica a biblioteca. Logo aí é preciso recorrer ao GPS porque nem o motorista mais experiente sabe de cor todos os caminhos de uma cidade irrequieta. “Ajuda muito, mas às vezes também nos engana. Noutro dia ia-nos mandando para Linda-a-Velha”, diz Catarina Alvim. “Agora ando a conhecer Lisboa inteira. Gosto muito disto, acho que faz muito sentido.”

O que vai dentro de cada envelope para os leitores é um mistério. Alguns vão mais recheados (cada utilizador pode pedir até cinco livros), outros são finíssimos. Como o que recebeu Inês Araújo à porta do seu prédio em Alcântara. Tem a espessura de uma revista, mas a leitora abre-o e revela tratar-se de documentação fundamental para uma investigação que está a fazer no Castelo de São Jorge, onde trabalha.

Há pedidos de livros técnicos, mas “o grosso é literatura”, resume Manuela Ramos. É pelas suas mãos, no primeiro piso das Galveias, que passam todos os pedidos. Quem telefona ou manda e-mails não quer só pedir livros, mas também cartões de utilizador ou agendar devoluções. Ao início da tarde de sexta, 451 pedidos tinham sido satisfeitos, faltava dar seguimento a 158 e a caixa de correio não parava de apitar. Mais 144 cartões de utilizadores foram emitidos na última semana. “Estamos a ter muito boa aceitação, as pessoas ficam muito agradadas e algumas até telefonam a agradecer”, afirma Fernanda Bandeira.

Não perguntem às funcionárias que autores mais saem, porque o trabalho é tanto que ainda ninguém teve tempo para espreitar isso, mas Manuela Ramos tem uma ideia dos géneros literários mais requisitados. “O romance, a seguir talvez o policial, depois umas crónicas, biografias. Agora não temos tantos pedidos na área das ciências sociais ou políticas, porque quem pede muito isso são estudantes e muitos deles não estão em Lisboa”, explica. Há, no entanto, uma categoria à parte: os livros infantis. “Muitos, muitos, muitos. Há casais que têm dois ou três filhos e pedem cinco livros por cada cartão.”

Com um número crescente de requisições e mais funcionários chamados a dar apoio, este é um serviço para manter no pós-covid, assegura Fernanda Bandeira. “Temos aqui já uma grande logística implementada. O projecto continuará com outros moldes, não para todas as pessoas da cidade, mas para pessoas com mobilidade reduzida, que não posam sair de casa”. Catarina Alvim concorda: “Há bairros que têm uma biblioteca próxima, mas isso não serve para os velhotes que já não se conseguem deslocar.”