Os novos emojis querem mais diversidade no amor — e, claro, uma vacina

A seringa deixa de conter sangue e passa a ter um líquido incolor, para poder ser melhor usado no contexto da covid-19. A alteração mais significativa é um leque mais vasto de como os utilizadores se representam enquanto casal.

Foto

Uma seringa que, ao invés de gotas de sangue, contém um líquido incolor, um coração em chamas ou maior diversidade de casais com diferentes tons de pele: estas são algumas das novidades que vão chegar aos iPhones com a nova actualização, que deverá chegar em Março.

“Novos emojis e novas vacinas têm mais em comum do que se poderia esperar à primeira vista”, lê-se num artigo do blog da Emojipedia. “Ambos requerem a supervisão de vários comités, levam anos a aprovar e resultam em implementações variadas de diferentes empresas, mas cada uma com o mesmo objectivo em mente.” O objectivo é que a seringa possa ser usada no contexto da covid-19, tal como o micróbio verde é usado para ilustrar o coronavírus. 

Foto

A mudança mais significativa é a existência de um leque mais vasto de como os utilizadores se representam enquanto casal: são 200 dos novos 217 emojis. As variações já tinham sido aplicadas em 2019, aos emojis de pessoas de mãos dadas. 

Foto

Há três novos smileys, ou caras, nesta actualização: “cara a exalar”, “cara com olhos em espiral” e “cara atrás de nuvens” (ou de fumo). Também passa a ser possível pôr uma barba nos emojis que pretendem representar uma mulher (com sobrancelhas mais finas e cabelo mais comprido). 

Foto

Aqui fica a lista completa de todos os emojis que chegam na primeira actualização de 2021. Já são conhecidas algumas das possíveis adições para 2022, que incluem uma bola de espelhos e mais formas de cumprimentos. 

Qualquer pessoa pode propor um símbolo ao Consórcio Unicode, a organização sem fins lucrativos responsável pela biblioteca de emojis que depois são adaptados para diferentes sistemas operativos. Depois da muito esperada representação da menstruação chegar em 2020, continua a não ser possível escolher uma pessoa de cabelo crespo, apesar de uma petição que reuniu dezenas de milhares de assinaturas, em 2019