Alfama: estudo calcula em 45 milhões investimento para pôr fim à pobreza energética

Estudo do Center for Environmental and Sustainability Research da Faculdade de Ciências e Tecnologia da Nova calculou o potencial de renovação do edificado e da integração de energias renováveis em Alfama, para descarbonizar o bairro e combater a pobreza energética.

Foto
Nuno Ferreira Santos

Num país em que “só se consome 5% da energia que se deveria consumir para cumprir o regulamento térmico de conforto interior” das habitações, a capital, Lisboa, é um exemplo de como a má qualidade dos edifícios, aliada às condições socio-económicas da população, pode empurrar uma franja significativa de portugueses para uma situação de pobreza energética que só agora começa a estar no topo das prioridades a nível europeu e nacional.