Covid-19: “Maior campanha de vacinação do mundo” arranca na Índia

Governo indiano pretende vacinar cerca de 300 milhões de pessoas até Julho.

Primeiro-ministro indiano congratulou-se com a "demonstração de capacidade" de vacinação da Índia
Fotogaleria
Primeiro-ministro indiano congratulou-se com a "demonstração de capacidade" de vacinação da Índia JAGADEESH NV/EPA
Profissionais de saúde, polícias e membros do Exército fazem parte do grupo prioritário
Fotogaleria
Profissionais de saúde, polícias e membros do Exército fazem parte do grupo prioritário FAROOQ KHAN/EPA

A Índia deu este sábado o pontapé de saída no seu programa de vacinação contra a covid-19, depois de ter registado 175 mortes e 15.158 novos casos nas últimas 24 horas. O objectivo do Governo de Narendra Modi, que realçou tratar-se da “maior campanha de vacinação do mundo” é imunizar 300 milhões de indianos até Julho, num país com um total de 1,3 mil milhões de habitantes.

“Estamos a lançar a maior campanha de vacinação do mundo e isso demonstra a nossa capacidade”, congratulou-se o primeiro-ministro indiano, num discurso transmitido pela televisão, em que também apelou à população para não acreditar nos “rumores sobre a segurança das vacinas”.

“Por favor não sejam descuidados depois de serem vacinados. Não tirem a máscara e não se esqueçam do distanciamento social”, pediu Modi.

A primeira vacina foi administrada este sábado a um trabalhador do sector da saúde, na capital, Nova Deli, seguindo-se pouco depois outros funcionários de hospitais – que integram o grupo prioritário, tal como a polícia ou o Exército – em vários estados da Índia.

A colossal campanha de vacinação recorre a duas vacinas: a Covaxin, desenvolvida pela empresa de biotecnologia Bharat Biotech e pelo Conselho Indiano de Pesquisa Médica, e a Covishield, da AstraZeneca e Universidade de Oxford, ambas produzidas pelo Instituto Serum da Índia.

A Covaxin recebeu aprovação de emergência no início de Janeiro, antes de os ensaios da “fase 3” estarem concluídos. De acordo com Prabir Chatterjee, médico e especialista em programas de imunização em Bengala ocidental, ouvido pela AFP, a aprovação “irritou muitos médicos e cientistas de topo”.

Desde o início da pandemia, a Índia contabilizou mais de 10,5 milhões de casos do novo coronavírus (10.542.841), mantendo-se como o segundo país com mais infecções, atrás dos Estados Unidos, e o terceiro do mundo com mais óbitos (152.093). O país tem actualmente 211.033 casos activos.