Apesar das excepções, Governo conta ter 68 mil funcionários públicos em teletrabalho

Trabalhadores envolvidos na presidência portuguesa do Conselho da União Europeia e funcionários públicos em relação aos quais a tutela decidir que devem permanecer no local de trabalho por razões de “interesse público geral” não poderão ficar em teletrabalho.

Foto
Em Setembro havia 29 mil funcionários públicos em teletrabalho Rui Gaudêncio

Durante as próximas semanas a adopção do teletrabalho será obrigatória também na função pública, mas o Governo prevê excepções, que vão além dos serviços essenciais, para os trabalhadores envolvidos na presidência portuguesa do Conselho da União Europeia e para os funcionários públicos em relação aos quais a tutela decidir que devem permanecer no local de trabalho por razões de “interesse público geral”. Ainda assim, o executivo espera que o número de pessoas em teletrabalho na administração central atinja um nível semelhante ao registado em Março e Abril e abranja os cerca de 68 mil funcionários que têm funções compatíveis com esta modalidade.