Descobrir o Alentejo a olhar os pássaros

Quantas aves cabem no céu alentejano? De ecossistema em ecossistema, voamos da planície às serras, da lagoa ao mar e ao rio, descobrindo um mundo de aves afinal tão diverso. E ainda damos um salto a Espanha com as rapinas.

,Pássaros
Fotogaleria
Este Outono, foram contabilizados cerca de 300 flamingos na Reserva Natural das Lagoas de Santo André e Sancha Paulo Margalho
portugal,alentejo,ambiente,espanha,conservacao-natureza,biodiversidade,
Fotogaleria
O projecto de Orniturismo divide-se em três tipos de propostas Paulo Margalho
portugal,alentejo,ambiente,espanha,conservacao-natureza,biodiversidade,
Fotogaleria
A ermida de Nossa Senhora de Aracelis tem vistas privilegiadas sobre a planície alentejana Paulo Margalho
portugal,alentejo,ambiente,espanha,conservacao-natureza,biodiversidade,
Fotogaleria
Do cais palafítico da Carrasqueira observam-se inúmeras aves aquáticas e limícolas Mara Gonçalves
portugal,alentejo,ambiente,espanha,conservacao-natureza,biodiversidade,
Fotogaleria
Aracena, em Espanha, é um dos pontos de partida para a descoberta do Parque Natural Sierra de Aracena y Picos de Aroche Mara Gonçalves
portugal,alentejo,ambiente,espanha,conservacao-natureza,biodiversidade,
Fotogaleria
O projecto une as regiões do Alentejo e da Andaluzia Mara Gonçalves
portugal,alentejo,ambiente,espanha,conservacao-natureza,biodiversidade,
Fotogaleria
O abutre-preto é uma ave bastante rara e ameaçada, que tem na Herdade da Contenda o único local de reprodução em todo o Alentejo Paulo Margalho
,Accipitriformes
Fotogaleria
O grifo-comum foi presença assídua nos céus durante a viagem Paulo Margalho
Migração de passáros
Fotogaleria
O grou é uma das aves invernantes em Portugal mais impressionantes Paulo Margalho

O silêncio civilizacional é absoluto no alto do castelo de Noudar. Vê-se o casario branco de Barrancos, lá ao fundo, mas só a natureza dá provas de vida, entre o canto das aves e o som dos chocalhos ao ritmo dos gestos das vacas de raça mertolenga que vemos preguiçar nos montes. Foi pelas aves que viemos ao Parque Natureza de Noudar, colado à fronteira que se anuncia para lá da curva voluptuosa do rio Ardila. Tínhamos esperança de vislumbrar o tom metálico do melro-azul que “normalmente vem espreitar” e logo desaparece, contam-nos, mas desta vez não temos sorte. Em compensação, avistamos alvéolas-brancas, chapins-reais e chapins-azuis, um rabirruivo, muitas andorinhas-das-rochas a sobrevoar as muralhas e cotovias de diferentes espécies.