Assalto ao Capitólio. O filme dos acontecimentos

Como os EUA viveram um dos dias mais sombrios da história da democracia.

Uma multidão de apoiantes do chefe de Estado respondeu de forma violenta perante a promoção insistente, de Donald Trump, da narrativa de fraude no sistema eleitoral. Pela primeira vez desde 1814, quando as tropas britânicas invadiram Washington, o Congresso dos EUA foi atacado.

Como sempre acontece após uma eleição presidencial, o Congresso dos Estados Unidos reuniu esta quarta-feira para contabilizar os votos do Colégio Eleitoral e confirmar quem serão os próximos Presidente e Vice-presidente dos Estados Unidos.

O ritual tantas vezes repetido foi desta vez interrompido por uma multidão furiosa que deitou abaixo todas as barreiras das forças de segurança e forçou a entrada no Capitólio norte-americano. A bandeira da Confederação, símbolo associado à opressão e à escravatura nunca antes visto naqueles corredores, passeou na casa da democracia dos Estados Unidos.

Nos jornais, televisões e redes sociais sucederam-se imagens e vídeos que mostraram pessoas com adereços, bandeiras e cartazes de apoio ao Presidente, a grupos de extrema-direita ou saudosos da Confederação, a destruírem ou vandalizarem a mobília, a decoração e os gabinetes do Capitólio, depois de terem forçado as barreiras de segurança.

Sugerir correcção