O natal de Pierre-Laurent Aimard

O pianista foi animando cada uma das diferentes camadas sonoras, equilibrando sabiamente vigor e delicadeza, numa execução muito mais dinâmica do que a da excelente gravação que lhe conhecemos

Foto
Alexandre Delmar/Casa da Música

Desde que há telemóveis, a ocorrência de toques inoportunos, nas mais diversas circunstâncias, é mais ou menos uma constante. Durante concertos, esses episódios tornam-se particularmente inconvenientes, embora já quase nada tenham de surpreendentes. E que atire a primeira pedra quem nunca sentiu o constrangimento de ouvir o seu próprio telemóvel vibrar a meio de um espectáculo. Em recitais como o que Pierre-Laurent Aimard deu esta terça-feira na Casa da Música, esse fenómeno tornou-se especialmente perturbador, não só pelo número de toques escutados, como também pela exigência da própria música.