Hollywood fight club

Eis o cinema na idade do streaming, a assumir-se como simulacro de si próprio.

ipsilon-papel,cultura,ipsilon,critica,cinema,culturaipsilon,
Fotogaleria
ipsilon-papel,cultura,ipsilon,critica,cinema,culturaipsilon,
Fotogaleria
ipsilon-papel,cultura,ipsilon,critica,cinema,culturaipsilon,
Fotogaleria
ipsilon-papel,cultura,ipsilon,critica,cinema,culturaipsilon,
Fotogaleria
,Netflix
Fotogaleria

Por alguma razão, não se fica nada surpreendido por constatar em Mank que o olhar de David Fincher sobre a Hollywood clássica corresponde a uma espécie de fight club. Egos, sempre masculinos, em confronto, uma sucessão de duelos entre personagens especulares ou contrapolares (e o que opõe o protagonista, o argumentista Herman J. Mankiewicz, a Orson Welles, é só mais um desses duelos, e nem o mais importante) medidos pela bitola e objectivos habituais — dinheiro, sexo e, o que aglutina tudo, poder.

Sugerir correcção
Ler 2 comentários