Cruzeiro Seixas, o último surrealista dissidente

Com um estilo inconfundível, composto por paisagens lunares povoadas por seres ambíguos, o lugar de Cruzeiro Seixas é fundamental para a afirmação do surrealismo português. Uma história de arte que passa também pela liberdade sexual.

Foto
nelson garrido

Artur do Cruzeiro Seixas, um dos protagonistas mais importantes do movimento surrealista em Portugal, morreu no domingo no Hospital da Santa Maria, em Lisboa, a menos de um mês de completar 100 anos. A sua morte foi anunciada pela Fundação Cupertino de Miranda, que guarda o espólio visual e literário do artista em Famalicão.